Greve

Rodoviários: apenas quatro empresas pagaram o salário

Empresas que não pagaram, não terão ônibus rodando em SL nesta segunda (23).
Imirante.com, com informações da STTREMA22/01/2017 às 08h50

SÃO LUÍS – Até esse sábado (21), apenas quatro empresas de transporte coletivo que atuam na Região metropolitana de São Luís efetuaram o pagamento do salário dos trabalhadores. A informação é do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários do Estado do Maranhão (STTREMA).

Leia também:

Rodoviários com salários atrasados vão paralisar atividades, afirma sindicato

Rodoviários podem cruzar os braços na segunda-feira (23)

Negociação entre SET e rodoviários avança, mas sindicato mantém possibilidade de greve

Rodoviários: "greve começa caso não haja acordos"

Segundo o sindicato, as empresas que fizeram o pagamento foram: Primor, Maranhense, Pelé e Pericumã.

“As demais (empresas), por desrespeitarem o que determina a Convenção Coletiva de Trabalho, no que diz respeito ao pagamento em dias, dos vencimentos dos Rodoviários, não terão ônibus rodando em São Luís na segunda-feira (23)”, afirmou o STTREMA por meio de nota.

Impasse entre rodoviários e empresários

Desde o último dia 12 deste mês, o Sindicato dos Rodoviários declarou estado de greve em São Luís, ou seja, os responsáveis pelo transporte público estão de sobreaviso de uma possível paralisação, caso não seja estabelecido um diálogo com os trabalhadores.

Em duas reuniões dos rodoviários, entre eles, motoristas, cobradores e fiscais, foi demonstrada indignação, diante dos vários direitos, até hoje desrespeitados pelos empresários. Segundo o próprio sindicato, quanto às questões salariais, existem empresas ou consórcios, que atuam no transporte público de São Luís, que até não efetuou o pagamento do 13º salário dos funcionários. Em relação às condições de trabalho, os pontos finais também entraram nas discussões. Quase todos na capital, estão em situação precária, sem o mínimo de infraestrutura, como por exemplo, a ausência de banheiros para atender as necessidades de trabalhadores e usuários do sistema.

Outros pontos, também foram incluídos na pauta: com a licitação, muitas empresas, que antes prestavam serviço, deixaram de atuar no transporte público, com isso, muitos trabalhadores foram dispensados, mas alguns empresários não cumpriram com a obrigação de pagar as verbas rescisórias. A demissão dos Rodoviários foi outra questão discutida. Pelo acordo feito entre Ministério Público, Prefeitura de São Luís, Sindicato dos Rodoviários e Sindicato Patronal (SET), os funcionários deveriam ser remanejados para outras empresas ou consórcios, medida que não está sendo tomada pelos empresários.

Itens que integram a Convenção Coletiva de Trabalho e que ainda não foram implementados, foram questionados nos encontros, como atraso de salário e o não repasse do tíquete-alimentação, pagamento dos trabalhadores por meio de contas em bancos, além do descanso estabelecido nesta Convenção, que o Rodoviário tem direito entre uma viagem e outra.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.