Terrorismo

Maranhense é um dos suspeitos de planejar atos terroristas

Marcos Mário Duarte usava nome árabe e morava em São Paulo.
Imirante.com*22/07/2016 às 05h57

SÃO LUÍS – Um maranhense figura entre os suspeitos de planejarem ataques terroristas no Brasil, durante os Jogos Olímpicos no Rio de janeiro. Zaid Mohammad Abdul-Rahman Duarte, de 42 anos, de acordo com o site da Veja, nasceu com o nome de Marcos Mário Duarte.

Ele e mais nove pessoas foram presas, ontem (21), após investigações da Polícia Federal. Zaid Mohammad nasceu em maio de 1974, em São Luís, ainda segundo o site da revista. Ele vivia em Amparo (SP) e converteu-se ao islamismo há 13 anos.

Leia também:

Prisão de suspeitos de terrorismo teve ajuda de vários países, diz ministro

Ministro diz que grupo preso era amador e fez juramento ao Estado Islâmico

Imprensa dos Estados Unidos destaca prisão de supostos terroristas no Brasil

Por meio do Telegram, Estado Islâmico teria sugerido terrorismo para o Rio 2016

O site traz, ainda, que o ludovicense se declara fundador, vice-presidente e Emir da Sociedade Islâmica do Maranhão. Ele mantinha um blog, em que fazia postagens com apologia ao Estado Islâmico.

As prisões, conforme o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, ocorreram em 10 Estados e todos os detidos são brasileiros. De acordo com o ministro, o grupo se comunicava por aplicativos de trocas de mensagens.

As prisões foram autorizadas pela 14ª Vara Federal de Curitiba. Em nota, o juízo disse que a "Operação 'Hashtag', deflagrada pela Polícia Federal na manhã dessa quinta-feira, investiga possível participação de brasileiros em organização criminosa de alcance internacional, como uma célula do Estado Islâmico no país. Foram expedidos 12 mandados de prisão temporária por 30 dias podendo ser prorrogados por mais 30. Informações obtidas, dentre outras, a partir das quebras de sigilo de dados e telefônicos, revelaram indícios de que os investigados preconizam a intolerância racial, de gênero e religiosa, bem como o uso de armas e táticas de guerrilha para alcançar seus objetivos".

Segundo o juízo, os artigos 3º da Lei 13.260, de 16 de março de 2016, que trata sobre terrorismo prevê como crime: "Promover, constituir, integrar ou prestar auxílio, pessoalmente ou por interposta pessoa, a organização terrorista" e artigo 5º: "Realizar atos preparatórios de terrorismo com o propósito inequívoco de consumar tal delito".

*Com informações da Agência Brasil

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.