Morte de trabalhador

Emap e sindicato traçam estratégias de segurança no Porto do Itaqui

Em até 30 dias, será concluída apuração das causas do acidente com funcionário.
Imirante15/07/2013 às 17h21

SÃO LUÍS - Representantes dos sindicatos dos trabalhadores portuários avulsos, ligados ao Órgão Gestor de Mão de Obra Avulsa (Ogmo), e a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) se reuniram, nesta segunda-feira (15), para tratar de temas relacionados à segurança dos trabalhadores.

O presidente da Emap, Luiz Carlos Fossati, voltou a lamentar a morte do arrumador de carga Luiz Carlos Diniz, na última sexta-feira (12). Fossatti destacou a importância da segurança e da vida de todos os trabalhadores portuários do Itaqui.

Na reunião, Emap e sindicatos identificaram oportunidades que visam aumentar a segurança do trabalhador.

Na reunião, ficou acordado que:

- Os trabalhadores retomarão as suas atividades nesta segunda-feira (15), no turno que se inicia às 19h30;

- Ainda nesta segunda-feira (15), será realizada uma inspeção na área primária que contará com a presença dos trabalhadores do Ogmo e da diretoria da Emap;

- Serão realizadas reuniões mensais entre os representantes da Emap e dos sindicatos ligados ao Ogmo para tratar de ações relativas às condições de trabalho, incluindo a segurança e saúde do trabalhador;

· Será elaborado um plano de ação conjunto entre a Emap e sindicatos de trabalhadores portuários avulsos;

· Em até 30 dias será concluído o processo administrativo interno que apura as causas do acidente.

Acidente

Na sexta-feira (12), o arrumador de cargas Luiz Carlos Diniz morreu esmagado por uma empilhadeira no Berço 100 durante uma operação de apoio à retirada da plataforma Seporion que adernou em 30 de setembro de 2012. Por causa do acidente, os trabalhadores paralisaram as atividades, reivindicando mais segurança.

De acordo com o presidente do sindicato do Ogmo, João Pereira, o protesto teve início desde o momento do acidente ainda na sexta-feira e o principal motivo é a falta de segurança em vários pontos do terminal de cargas, falta fiscalização.

Nesta segunda-feira (15), funcionários de uma das empresas que operam no Porto do Itaqui foram proibidos de operar nos berços 100, 101,102 e 103 até que o inquérito que apura as causas da morte do operário sejam esclarecidas.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.