Caso Eloá

Promotor quer arquivar inquérito sobre ação da PM no caso Eloá

G1 15/04/2010 às 23h34

SÃO PAULO - O promotor de Justiça Waldevino de Oliveira pediu nesta quinta-feira (15), o arquivamento do inquérito que apura a atuação da Polícia Militar no caso Eloá. Em outubro de 2008, a jovem de 15 anos foi mantida refém na própria casa pelo ex-namorado e acabou baleada quando a polícia invadiu o local, em Santo André, no ABC.

O Ministério Público concluiu que os policiais não agiram com imprudência ou negligência nem faltaram com cautela. O sequestro durou cinco dias. Lindemberg Alves, de 22 anos, não se conformava com o fim do namoro. Ele também manteve no apartamento da periferia de Santo André a jovem Nayara Silva, uma das melhores amigas de Eloá.

Na época, Alves chegou a libertar Nayara, mas, no dia seguinte, ela voltou à casa da amiga para tentar convencer o rapaz a se entregar. Sem avanços nas negociações, a polícia resolveu invadir o prédio no dia 17, uma sexta-feira. O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), tropa de elite da PM, explodiu a porta e prendeu Alves. Houve troca de tiros.

Nayara deixou o apartamento andando, enquanto Eloá, carregada, foi levada inconsciente para o hospital. A morte cerebral dela foi diagnosticada no fim da noite de sábado (18). No dia 31 de março deste ano, o Tribunal de Justiça de São Paulo rejeitou mais um recurso apresentado pela defesa de Alves, acusado pela morte da estudante. Ele continua preso no interior do estado.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.