Em Passagem Franca

Festa de São João que nunca ocorreu desviou R$ 110 mil em Passagem Franca

Os envolvidos foram denunciados pelo Ministério Público por crimes de peculato e fraude em processo licitatório.
Imirante.com, com informações do MP-MA24/12/2019 às 14h05
Festa de São João que nunca ocorreu desviou R$ 110 mil em Passagem FrancaPassagem Franca fica a 409 km de São Luís. (Arte: Imirante.com)

PASSAGEM FRANCA – Três pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público do Maranhão (MP-MA) pela prática de diversos crimes, como peculato e fraude em licitação, na realização de uma festa de São João, na cidade de Passagem Franca, distante 409 km de São Luís, no ano de 2010. Os denunciados foram identificados como Cristino Dias da Silva, Eduardo Dias Silveira e Arnóbio Lima de Carvalho.

De acordo com a Promotoria de Justiça de Passagem Franca, as irregularidades praticadas teriam causado um desvio de R$ 110 mil dos cofres públicos.

Um Procedimento Investigatório Criminal instaurado pelo promotor de Justiça Carlos Allan da Costa Siqueira constatou que a prestação de contas do convênio firmado entre a Associação dos Moradores dos Povoados e a Secretaria de Estado da Cultura encontra-se irregular, instaurando – se uma Tomada de Contas Especial n° 29/2015 para averiguação.

Entenda o caso

Em junho de 2010, foi celebrado um convênio entre a associação, em nome de Eduardo Dias Silveira com a Secretaria de Cultura para a realização do projeto “São João do Maranhão – A mais bonita festa popular do Brasil”, com a participação da empresa Arnóbio Lima Produções.

Eduardo Dias Silveira, morador de Passagem Franca com casas nos povoados Condave e Sambaíba, declarou que, no ano de 2010 e nos anos seguintes, assinou alguns papéis na Prefeitura de Passagem Franca, sem conhecimento e que a associação era presidida por seu tio Cristino Dias, que não realizou nenhuma festa de São João.

Contudo, foram encontrados elementos de fraude nos documentos para a prestação de serviços por parte da empresa Arnóbio Lima Produções. O proprietário da entidade, em seu depoimento ao Ministério Público, relatou que não se recorda da existência de documentos ou assinatura para a realização da festa de São João 2010; que não participou de nenhum processo licitatório em conluio com a associação; que não conhece Cristino Dias da Silva nem Eduardo Dias Silveira e que realizou eventos somente na zona urbana de Passagem Franca.

De acordo com o relatório ministerial, foi apurado com os moradores dos povoados citados que não houve nenhuma festividade junina em 2010 e que eles não sabiam nem da existência da associação de moradores.

Os envolvidos foram denunciados pelo Ministério Público por crimes de peculato (pena de reclusão de dois a doze anos) e fraude em processo licitatório (detenção de três a cinco anos e multa).

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.