DOM | Dia do Médico

Desafios de quem tem a missão de salvar vidas e aliviar dores

No Dia do Médico, o Hospital dos Servidores realiza homenagem aos valorosos profissionais
16/10/2021
O cantor e servidor estadual Fernando de Carvalho guarda com carinho e gratidão a foto dos médicos e equipes que o atenderam

São Luís - Salvar vidas, aliviar dores e devolver pessoas recuperadas e com saúde aos seus familiares. Eis a missão diária e difícil, daqueles que abraçaram a medicina como profissão. Para médicos e médicas, o exercício da profissão tornou-se ainda mais desafiador desde o ano passado, com o advento da pandemia da Covid-19. As rotinas, já puxadas de plantões, estudos de casos graves, atendimentos de pacientes e procedimentos clínicos ou cirúrgicos foram associados a fatores como incertezas, exaustão por longos turnos e jornadas de trabalho, medo de contaminação, além de muitas dúvidas sobre que medicamentos ministrar e como tratar casos graves de uma doença que desafiou a lógica e que surpreendia a todos.

Ser parte da classe médica nesses tempos foi mesmo um ato de heroísmo. E nada mais justo que, no dia dedicado a essa categoria, 18 de Outubro, prestar homenagens a essa classe profissional que teve o seu trabalho ainda mais demandado na pandemia e também mais valorizado.

Para quem não sabe, o 18 de Outubro foi escolhido em homenagem ao nascimento de São Lucas, o protetor dos médicos. São Lucas estudou medicina em Antioquia (atual Turquia), e é considerado patrono dos médicos desde o século XV. Mas essa data muda em alguns países, a exemplo dos Estados Unidos que celebra o Dia do Médico em 30 de março, aniversário da primeira vez que a anestesia foi administrada em um paciente em 1842. Mas, independentemente do dia, o que vale mesmo é reconhecer anos de estudo e dedicação contínua daqueles que devolvem aos pacientes o seu bem maior, a saúde restabelecida.

Plínio Tuzzolo, diretor-geral do Hospital dos Servidores Estaduais (HSE), reforça a importância da categoria e promove nessa segunda – feira (18) um café da manhã para os médicos do HSE. “Ano passado oferecemos a todos os nossos 300 médicos e médicas uma placa solene que foi afixada na sede do HSLZ, reconhecendo o esforço de todos os times que trabalharam nessa pandemia. Este ano, numa situação felizmente mais estabilizada, comemoraremos com um café da manhã a dedicação das nossas equipes médicas, que tem sido exemplares e muito eficientes na missão de salvar vidas”, declarou.

A diretora-médica do HSE/ HSLZ, Sílvia Mochel enaltece as equipes médicas, que nessa pandemia se dedicaram ainda mais. “Nós temos como missão salvar vidas, e nessa pandemia todos os médicos e médicas do HSLZ foram ainda mais dedicados, pois lutaram contra um inimigo desconhecido, um vírus novo e que nos desafiava a cada dia. Mas as crises também servem para moldar profissionais brilhantes, e assim foi com nossos 300 médicos e médicas, a quem este hospital reconhece todo o empenho e profissionalismo que salvaram mais de 2 mil vidas nessa pandemia”, disse.

O servidor estadual Francisco Jorge foi paciente de Covid-19 e um dos casos mais difíceis tratados com sucesso pelos médicos do HSLZ. Agora, com 26 Kg a menos, ele foca em uma nova vida

ecuperação
E só quem adoece gravemente e corre risco de vida sabe dimensionar de fato, o valor daquele (a) que o ajuda a recuperar a saúde e a vida. E aos médicos será eternamente grato(a).

O talentoso cantor maranhense Fernando de Carvalho, que também é coordenador artístico da escola de Música do Maranhão e funcionário estadual, é contribuinte do Funben, o plano de saúde destinado aos servidores estaduais. E no último mês de julho, precisou ser internado no HSLZ para fazer uma cirurgia conhecida como uretroscopia ou litotripsia a laser, para eliminar uma pedra de 1cm, alojada no seu rim direito; que não poderia ser expelida somente com medicações. Fernando foi operado pelos urologistas Maick Farias e Paulo Roberto e pelo anestesista Paulo Vitor Furtado, da equipe do médico Amarildo Monteiro no HSLZ. A cirurgia foi um sucesso e 16 horas depois já teve alta, retornando em duas semanas para a retirada final do cateter interno, tudo na maior tranquilidade.

Livre das dores que o impediam de praticar atividades físicas e fazer esforços mais simples, e já plenamente restabelecido, Fernando de Carvalho usou suas redes sociais para tecer os mais altos elogios aos médicos que o atenderam, assim como toda a estrutura médico – hospitalar oferecida aos servidores estaduais pelo HSLZ /HSE.

“É necessário valorizar e reconhecer as coisas boas. Desde 2018 quando comecei a utilizar os serviços do Centro Ambulatorial e Diagnóstico Holandeses (CADH) como usuário do Funben, me surpreendi com a qualidade oferecida aos servidores. Já fiz checkup’s completos em menos de uma semana. E agora celebro o sucesso dessa cirurgia, a competência desses médicos maravilhosos que me atenderam e de todas as equipes do HSLZ que ainda me cobriram de carinho. Me senti abraçado, cuidado, e isso não tem preço. Parabéns ao Governo do Estado por tanta qualidade” ressaltou, emocionado, o ex-paciente e cantor em seus perfis nas redes sociais.

Mais grave porém, foi o caso do servidor estadual Francisco Jorge Vieira. Ele mora em Chapadinha (MA), e quando contraiu a Covid-19 logo teve 75% do seu pulmão comprometido, e precisou ser internado no HSLZ em estado gravíssimo no último mês de agosto. Devido ao seu alto grau de obesidade, pesando 136Kg e com comorbidades, seu tratamento foi desafiador para os médicos que o assistiram, como relata o intensivista e diretor-médico do CADH, Aminadabe Souza.

“O caso do Francisco foi super-difícil de tratar, pois além das dificuldades naturais impostas pela Covid-19, ainda tinha o fato dele ser um paciente super obeso, o que dificultava tudo, desde sua movimentação até as decisões sobre que remédios ministrar, em que momento intubar, enfim foi uma luta que fomos vencendo dia a dia. Cada paciente para um médico não é só um corpo a ser tratado; mas um pai, um filho ou o irmão de alguém que queremos devolver para a família curado. E assim o fizemos com o Francisco, e foi uma vitória coletiva de todas as equipes multidisciplinares que o atenderam”, relatou o médico.

Francisco Vieira ficou internado 53 dias no HSLZ - 19 dias entubado (1º a 19 de agosto) e 21 dias com respiração artificial via traqueostomia. Ele completou 53 anos no hospital, no último dia 1º de setembro. Já extubado, ele ganhou até uma comemoração na UTI das equipes do HSLZ.

Agora, de volta para a família, ele tem motivos de sobra para celebrar a vida duplamente. Casado e pai de dois filhos, ele se dedica diariamente a sua recuperação. Já perdeu 26Kg e faz fisioterapia para fortalecer os membros inferiores, última sequela da doença. Ele segue com muita determinação diária, para conquistar uma nova vida.

Ao ser entrevistado, Francisco Jorge Vieira disse ser eternamente grato aos médicos do HSLZ/ HSE e aos demais profissionais que o atenderam. Como recompensa, além da gratidão declarada, ele quer ressignificar a vida que lhe foi devolvida e cuidar melhor da saúde.

“Dei entrada no HSLZ muito grave mesmo e nem tenho palavras para expressar tanta gratidão que tenho aos médicos que me atenderam e fizeram o seu melhor por mim, assim como os demais. Dos maqueiros à equipe de enfermagem e médicos, todos forma muito atenciosos comigo. Sempre tinham um sorriso, me trataram com muito zelo e educação. Quando saí do hospital, senti que deixei lá mais do que grandes amigos, mas uma verdadeira família, a quem devo a minha vida”, frisou, o sobrevivente da Covid19 que, graças aos médicos e profissionais do HSLZ, hoje pode contar essa história com final feliz.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte