Política | Reforma Tributária

Roberto Rocha entrega parecer da reforma tributária ao Senado

O parecer adota o modelo dual do Imposto sobre Valor Agregado (IVA). Esse modelo prevê dois IVAs: um federal e outro subnacional, compartilhado por Estados e municípios
06/10/2021
Roberto Rocha entrega parecer da reforma tributária ao SenadoDivulgação

BRASÍLIA - O senador Roberto Rocha (PSDB-MA) entregou, nesta terça-feira, 5, o relatório da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 110, uma das medidas de reforma tributária em tramitação no Congresso Esta é a terceira versão do parecer desde que a PEC foi protocolada, em 2019.

O documento ainda não foi divulgado publicamente.

O ato de entrega ocorreu na sala da presidência do Senado.

O parecer adota o modelo dual do Imposto sobre Valor Agregado (IVA). Esse modelo prevê dois IVAs: um federal e outro subnacional, compartilhado por Estados e municípios. Além disso, o relatório traz uma trava para que não haja aumento da carga tributária.

O relator afirmou que o parecer é fruto de uma convergência com o governo federal, Estados e municípios.

Em entrevista coletiva, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que o parecer "será debatido e poderá ser modificado" sem prejuízo de outras propostas tributárias em tramitação no Congresso. "Nós precisamos entregar para a sociedade brasileira a mudança no sistema tributário."

Ele evitou garantir a aprovação da PEC neste ano. E voltou a admitir dificuldades para aprovar uma mudança ampla no sistema tributária.

"Momento muito belicoso, não há dúvida, mas é preciso continuar trabalhando", afirmou o senador. "A aprovação ou não neste ano é uma consequência daquilo que for feito desde já."

O ministro da Economia, Paulo Guedes, não compareceu à coletiva à imprensa.

De acordo com Pacheco, a ausência se deve a um improviso no anúncio à imprensa, que não havia sido comunicado ao chefe da pasta.

A coletiva de imprensa, no entanto, foi anunciada desde a manhã desta terça-feira.

Pacheco

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), colocou o cronograma da reforma tributária sob responsabilidade da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), presidida por Davi Alcolumbre (DEM-AP). Em entrevista coletiva, Pacheco evitou se comprometer com prazos.

"É um calendário que pertence à CCJ neste momento. Tenho muito confiança na sensibilidade do presidente Davi Alcolumbre, que inclusive é o primeiro signatário da PEC", disse Pacheco. "Na CCJ, nós conseguimos avançar e, quando vier ao plenário, há o meu compromisso de pautar a PEC 110 no plenário."

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte