Política | Pobreza

Relatório da ONU aponta Maranhão como o estado com o maior índice de miséria

De acordo com a ONU, a situação de pobreza no estado já era grave e piorou com os efeitos da pandemia da Covid-19 na economia e na vida das pessoas
Ronaldo Rocha da editoria de Política30/09/2021 às 10h19
Relatório da ONU aponta Maranhão como o estado com o maior índice de misériaBiaman Prado / O ESTADO

SÃO LUÍS - Relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) apontou Maranhão como o estado brasileiro com o maior quantitativo de pessoas vivendo na miséria.

É no Maranhão também, segundo o mesmo relatório, em que nove de cada 10 pessoas dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS) para cuidar da saúde.

De acordo com o relatório, a pobreza que já era elevada no estado, piorou com a pandemia da Covid-19. Pelo documento, em 2019 quase 20% da população maranhense vivia com renda mensal abaixo de R$ 145.

O relatório aponta elevação da desigualdade social no estado e situação crítica. O relatório foi elaborado por especialistas do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, junto como outros órgãos e o Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

A chefe do escritório da Unicef em São Luís, Ofélia Silva, afirmou ao portal G1 que existe uma relação direta entre pobreza social e com a chegada da pandemia s situação piorou consideravelmente.

“Sabemos que existe uma relação direta entre pobreza, desigualdade, alta desigualdade, desigualdade continuada crônica, mudanças climáticas que afetam o mais pobres e recessão econômica. A pandemia agrava tudo isso. Nós sabemos que os resultados com relação a insegurança alimentar no Brasil se agravaram nos últimos anos”, destacou.

Leia também:

400 mil entraram na extrema pobreza no Maranhão desde 2015

O relatório da ONU reforça o que já havia atestado o IBGE em documento publicado na semana passada, de aumento da extrema pobreza no estado, de 2015, quando o governador Flávio Dino (PSB) assumiu mandato.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte