Estado Maior | Coluna

Incertezas na educação

23/09/2021


O secretário municipal de Educação, Marco Moura, falou - no quadro Bastidores, do Bom Dia Mirante - sobre a retomada das aulas na rede municipal de ensino de São Luís. O gestor disse que há um plano de reforma das escolas e, assim, as aulas presenciais serão retomadas gradativamente.

O problema é que o plano não é da Secretaria Municipal de Educação e, por isso, Moura acabou não dizendo ao certo quando as aulas nas escolas públicas de São Luís poderão voltar de forma presencial. O plano de reforma é da Secretaria Municipal de Obras (Semosp).

Com pouco mais de 5% das escolas em condições de receber alunos em salas, cerca de 80 mil crianças ainda permanecem sem aulas presenciais. As que têm acesso à internet (própria) ainda conseguem obter algum conteúdo.

Os que não têm, dependem das atividades impressas disponibilizadas nas escolas a cada 15 dias e também do tempo e do conhecimento dos pais para realizar o que o professor pede em cada folha impressa.

São praticamente nove meses nessa situação.

Faltam pouco mais de três meses para o fim do ano e no horizonte dos alunos da rede municipal de ensino a incerteza de voltar a ter aulas de verdade até lá.


Pouco se fala

Mesmo com o cenário nada bom para os alunos da rede municipal de ensino, chama atenção a pouca repercussão do assunto na Câmara Municipal de São Luís.

Mesmo tendo a função de fiscalizar o Poder Executivo, os vereadores da capital não deixam o tema na pauta da Casa.

Até o momento, somente audiência pública foi o que os parlamentares fizeram.

Repercussão

O assunto foi tratado na Assembleia Legislativa. O deputado federal Duarte Júnior (PSB) repercutiu a entrevista de Marco Moura no Bom Dia Mirante de forma negativa.

Segundo o parlamentar, o gestor da Educação de São Luís mostrou imprecisão nos dados, e não falou verdades sobre a realidade das escolas da capital.

Duarte Júnior reclamou de respostas como a relacionada com a reforma das escolas que foram feitas na atual gestão. De acordo com o deputado, Moura deixou de responder sobre a questão.

Perdeu a razão

O vereador de Caxias, Catulé (Republicanos), que é pai do secretário Estadual de Turismo do Maranhão, Catulé Júnior, perdeu toda a razão nas suas reivindicações legítimas a favor de sua cidade.

O parlamentar foi reclamar da falta de atuação da bancada do Maranhão na Câmara dos Deputados a favor de Caxias. Disse que a cidade tem perdido importantes órgãos federais.

A reclamação seria legítima se o vereador não tivesse baixado o nível e ofendido os deputados federais. Além de ofender com xingamentos, Catulé acusou os parlamentares de comprar votos.

Muito grave!

Agenda

O deputado estadual César Pires (ainda no PV) falou na Mirante AM sobre a agenda do pré-candidato do PSD ao governo, Edivaldo Júnior, no interior do estado.

Segundo Pires, a partir da próxima semana, Edivaldo vai ao sul do Maranhão para encontros com lideranças políticas como parte de sua agenda de pré-campanha.

Esta será a primeira vez do pré-candidato no sul do estado. Em outras regiões, Edivaldo já vem percorrendo e recebendo apoios.

Câmara

A disputa pela presidência da Câmara Municipal de São Luís saiu dos bastidores e chegou ao público.

A ideia que vem sendo passada é a de que o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) saiu na frente e vem articulando apoios para o vereador Paulo Victor (PCdoB) ser o próximo presidente da Casa.

Brandão vem conversando com vereadores e atrelando o apoio a Victor a um futuro apoio a sua eventual candidatura ao governo do Maranhão.

DE OLHO

4 vereadores

de São Luís são postos como possíveis candidatos à presidência da Câmara Municipal: Gutemberg Araújo (PSC), Raimundo Penha (PDT), Aldir Júnior (PL) e Paulo Victor (PCdoB).

Tentando evitar

No entanto, ao que parece, Brandão tenta evitar dois espaços de poder que o seu principal adversário, Weverton Rocha (PDT), poderá ter em 2022.

O primeiro é a própria Câmara Municipal, que já é um dos espaços do senador, já que o presidente atual, Osmar Filho (PDT), é aliado de frente de Rocha.

O outro é uma declaração de apoio do prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), ao pedetista.

E Mais...


• Explica-se: trabalhando a favor de Paulo Victor, Carlos Brandão pode ter a Câmara de São Luís ao seu lado, em 2022, e retira este espaço de poder de seu adversário.

•E terá uma Câmara que pode não se atrelar à Prefeitura de São Luís. A não ser que haja uma conversa que possa deixar Braide neutro na disputa no estado, ou ficar de outro lado que não o de Weverton.

• Lembrando que, por enquanto, o grupo do pedetista fala em lançar Raimundo Penha (PDT) como presidente. Mas, o provável, é que o apoio do PDT e de seu grupo vá para o vereador Gutemberg Araújo, que é aliado de linha de frente de Eduardo Braide.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte