Cidades | Estrada perigosa

Moradores do Araçagi reclamam da falta de segurança na MA-203

Acidentes graves têm sido frequentes no trecho localizado em frente à UPA do Araçagi; moradores e motoristas pedem fiscalização na via
Bárbara Lauria / O Estado21/09/2021
Moradores do Araçagi reclamam da falta de segurança na MA-203Muitos acidente têm ocorrido em trechos da Estrada do Araçagi (Paulo Soares / O Estado)

São Luís –

Conhecida pelos acidentes graves no trânsito, a MA-203, Estrada do Araçagi, tem sido preocupação constante de moradores da região e de motoristas que passam diariamente pelo local. Após um alto índice de acidentes e colisões registrados nas duas últimas semanas, moradores dos bairros Divinéia, Sol e Mar, Vila Luizão, Brisa do Mar, Turu, Santa Rosa, Araçagi e demais localidades da região organizaram uma manifestação na manhã de segunda-feira (20), mas ela não ocorreu.
Viaturas da Polícia Rodoviária Militar foram encaminhadas para os dois pontos de encontro dos manifestantes, próximo ao Posto Silva, na entrada da Vila Luizão, e na Avenida São Luís Rei de França, próximo ao Posto Natureza, no Turu; a população se dispersou e, por isso, o protesto não ocorreu.
Em nota, a Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB) informou que está tomando todas as medidas possíveis para evitar transtornos, entre elas desvios nas vias, contendo sinalizações verticais e a presença de fiscais da MOB, a fim de auxiliar os motoristas no entendimento do novo fluxo de trânsito da MA-203.
Uma parceria entre a MOB, BPRV, Polícia Militar e Secretaria de Segurança Pública do Maranhão está realizando um reforço na fiscalização, que tem como intuito evitar acidentes na via e garantir mais segurança aos motoristas e pedestres. O trabalho intensificado de conscientização segue sendo realizado durante as próximas semanas. Além disso, o efetivo da obra foi aumentado para garantir o cumprimento das etapas.
O Estado foi até um dos pontos da MA-203 em que ocorreria a manifestação e conversou com motoristas e moradores da região. O taxista Pacheco Andrade, fica no ponto em frente a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Araçagi, e conta que não é apenas a falta de fiscalização que tem causado os acidentes, mas também a imprudência de motoristas.
“Os motoristas passam em alta velocidade por aqui e não prestam atenção na sinalização, e isso têm sido a maior causa de acidentes. Precisamos, sim, de mais fiscalização nessa área, talvez até mesmo para instruir os motoristas, mas as pessoas precisam ter mais cuidado ao dirigir por aqui e prestar mais atenção”, relata o taxista.
A comerciante Betânia Vieira também trabalha em frente a UPA, local onde acontece o maior número de registros de colisões da via, pois há densidade semafórica e de sinalização vertical, que confunde os condutores, os fazendo perder o controle do veículo, quando perde tempo tentando entender a sinalização. Ela comenta que se tornou cotidiano ver acidentes na área.
“Todo dia, praticamente, vejo alguma colisão nesse retorno, somente neste fim de semana vi pelo menos quatro acidentes pequenos, apenas colisões. As pessoas correm muito e raramente tem fiscalização aqui. Apenas quando tem fiscais de trânsito que os motoristas passam a ser menos imprudentes”, aponta.

Acidentes
Apenas no fim de semana de 10 a 12 de setembro, foram registrados cinco acidentes, nos quais duas pessoas morreram. No último dia 10, o primeiro de uma série de conflitos no trânsito na Estrada do Araçagi, ou como está sendo chamada agora, “Estrada da Morte”, foi registrado, quando duas pessoas morreram.
No último dia 13, a MOB informava, em nota, que “está analisando a necessidade de reforçar a sinalização vertical e horizontal na região, tendo em vista a diminuição dos acidentes na MA-203. Por fim, ressalta-se que constantemente se observa o descaso por parte dos condutores de veículos que desrespeitam as sinalizações e realizam retornos proibidos, avançam semáforos fechados, trafegam em velocidade acima do permitido e além de outras infrações de trânsito”.
O Estado entrou em contato com o Governo do Maranhão para saber se alguma proposta para organizar o trânsito do espaço está sendo planejada, contudo, não houve respostas até o fechamento desta edição.

Fórmula mortal
A O Estado, o especialista em trânsito, Francisco Soares, explicou que a forma como a obra realizada no local foi feita explica o alto número de acidentes. “O que ocorre na MA-203, que foi reformulada para receber o BRT, é que aquela avenida recebeu um alargamento da caixa, ou seja, ficou mais larga para receber a via exclusiva e dedicada ao BTR. Então, isso explica a grande morosidade”, frisa.
Segundo ele, o principal erro da obra, é que pelo seu nível de complexidade, ela deveria ter tido um acompanhamento integral e uma fiscalização preventiva. “Não uma fiscalização punitiva, mas uma fiscalização preventiva para controlar aquele fluxo. Outro erro, como se trata de uma obra rodoviária, é importante que esteja acompanhada de um projeto de engenharia de trânsito, porque a obra rodoviária em si, não vê a questão do trânsito”, destacou.

SAIBA MAIS

Audiência

A Câmara Municipal de São Luís realizará audiência pública intitulada “Mobilidade Urbana da MA-203: desafios do trânsito metropolitano” no próximo dia 23, às 10h. Além de abordar os graves acidentes registrados nas últimas semanas na rodovia, a demora pela conclusão das obras de implantação do modal Bus Rapid Transit – BRT (Ônibus de Trânsito Rápido) e os transtornos causados por elas a motoristas e pedestres que trafegam pela Estrada do Araçagy também contribuíram para a criação da proposição.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte