PH | COLUNA SOCIAL

Pergentino Holanda

15/09/2021

O sabor do capão com “pirão de parida”
Desde os tempos de criança em Presidente Dutra, aprendi a conviver com os melhores sabores da culinária do Sertão maranhense, que traz em si um “mix” de diferentes culturas em sua formação, tais como a africana, a portuguesa, a europeia e a indígena.
Um desses sabores marcantes é o do capão guisado com pirão de parida. Os capões (ou frangos castrados), se constituíam na fonte de proteína animal principal da mulher após o parto, durante o mês do “resguardo”. A carne de galinha era consumida principalmente com pirão escaldado feito com farinha de mandioca, designado como “pirão de parida”. Os capões eram criados em casa, comendo milho. Toda casa tinha seu quintal com capões bonitos para alimentar sobretudo as mães durante a quarentena pós-parto.
Os tempos mudaram, mas a receita do capão ou galinha com pirão de parida continua sendo uma tradição em algumas cidades do Estado. E Caxias é uma das mais famosas, depois do núcleo gastronômico que foi criado ali, no Balneário Veneza.
No último sábado, a caminho de Teresina, Cintia e Fernando Motta e este Repórter PH tiveram um momento da mais pura orgia gastronômica, à qual se juntou Fernando Santos, secretário de turismo daquela cidade, na casa acolhedora de Inês e Washington Torres, que se esmeraram em oferecer o melhor capão com pirão de parida de Caxias. Para tanto, chamaram Dona Maria Raimunda, uma das mais experientes quituteiras de Veneza, para preparar a iguaria, que foi saboreada com uma deliciosa cerveja artesanal feita na própria cidade.
Aliás, é quase impossível visitar Caxias e não conhecer essa delícia da gastronomia caxiense, cujo sabor que eu trouxe da infância continua muito presente na minha memória e também nas melhores tradições da Princesa do Sertão.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

Assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte