Alternativo | Preservação

Para celebrar nosso Patrimônio

Dia Nacional do Patrimônio Cultural será celebrado com evento, na Praça do Desterro com exibição de filmes sobre a temática
17/08/2021
Para celebrar nosso PatrimônioPaulo Soares

São Luís - Conhecimento, educação patrimonial e entretenimento. É o que promete a programação especial organizada pela Fundação Municipal do Patrimônio Histórico (FUMPH), ligada à Prefeitura de São Luís, em homenagem ao Dia Nacional do Patrimônio Cultural, celebrado hoje. O evento, às 18h30, na Praça da Flor do Samba (Desterro), será marcado pela primeira edição do “Cine Patrimônio”, com exibição de vários filmes sobre São Luís.

A iniciativa conta com a parceria das secretarias de Cultura, Turismo e de Inovação, Sustentabilidade e Projetos Especiais, além do Museu do Audiovisual, Conselho de Arquitetura e Urbanismo, Sesi e Iphan-MA. Um dos filmes a serem exibidos, “Upaon – Açu, Saint Louis, São Luís”, aborda a fundação da cidade. Trata-se de uma animação dirigida pelo cineasta, diretor do Museu do Audiovisual do Maranhão e secretário municipal de comunicação, Joaquim Haickel, e produzido pela Dupla Criação, com 11 minutos de duração.

Outro filme a ser exibido é intitulado “São Luís: Encantos e Magias”, documentário produzido por Haickel e Fernando Bayma, tratando dos aspectos culturais, sociológicos, antropológicos, formação da cidade, folclore e lendas, somando 36 minutos. Além disso, serão veiculados outras produções, sobre ruas de São Luís, turismo, entre outros aspectos.

Para Joaquim Haickel, o evento é de suma importância pelo fato de São Luís ser detentora do título de Patrimônio Cultural da Humanidade, concedido pela Unesco, em 1997. “E isso tem que ser valorizado e deve estar sempre em pauta, pois nos credencia como uma das poucas cidades do Brasil que tem essa prerrogativa e a Prefeitura de São Luís tem demonstrado preocupação com a cidade, com os habitantes e com a forma com que as pessoas convivem”, disse Haickel.

Segundo a presidente da Fundação Municipal do Patrimônio Histórico, Kátia Bogéa, o Dia Nacional do Patrimônio Cultural é uma data escolhida em homenagem ao nascimento de Rodrigo Melo Franco de Andrade, considerado um dos maiores responsáveis pela implantação das políticas de preservação do Patrimônio Cultural no Brasil.

Ela disse que São Luís assiste, há alguns anos, a um progresso considerável no que diz respeito à preservação do seu patrimônio cultural, desde os anos 1980, somando 30 anos do Programa de Reabilitação do Centro Histórico, que avançou muito. Há, ainda, ações mais recentes do Iphan, como o PAC das Cidades Históricas, que revitalizou várias praças, por exemplo, somando às ações do Governo do Estado e Prefeitura, com o programa de reabilitação da área.

“E os programas de acessibilidade e de habitação. A Fundação Municipal do Patrimônio Histórico intensificará a questão da habitação do Centro Histórico, para avançarmos no que já foi conseguido. O Centro Histórico se encontra um pouco desequilibrado em suas funções. O uso comercial está prevalecendo em relação ao habitacional. A ideia é trabalhar mais fortemente no viés da habitação para equilibrar esse processo. Para alcançar uma cidade mais humana é necessário que a atual gestão se organize para enfrentar o problema da mobilidade, também. É necessário avanços no estudo de programas e projetos. E isso a gestão Eduardo Braide está fazendo”, frisou.

Ela disse que a Fundação, pela primeira vez na história da cidade, dá o pontapé para a criação da Lei Municipal do Patrimônio Cultural. “Além disso, em parceria com o Sistema Fiema, colocaremos em prática o Canteiro-Escola, que lançaremos no aniversário da cidade, para garantir a formação profissional voltada para a construção civil dentro da tecnologia construtiva dos imóveis do Centro Histórico. Formaremos pintores e pedreiros, por exemplo. Trabalhamos, ainda, no Inventário de Referências Culturais, que envolve cinco bairros, em parceria com Semcas, fazendo o cadastro das famílias. É um trabalho de educação patrimonial para que se entenda o que é um quilombo urbano”, continuou Kátia Bogéa.

Ela citou, também, a volta do Núcleo Gestor do Centro Histórico, com a participação de todas as instituições e órgãos com ingerência na gestão da área. “Nós temos, ainda, projeto de restauração do Palacete da Rua Formosa, que será transformado na sede da Secretaria Municipal de Turismo, com exposição permanente sobre os bens turísticos da cidade. Faremos uma exposição sobre o prédio em si, que é uma crônica social da cidade. Trata-se de um prédio icônico, projetado na tecnologia da gaiola pombalina e que é o prédio mais importante da cidade. Está no nosso cronograma, também, a doação do sobrado do Edifício São Luís, que tem a maior fachada de azulejos da América Latina, e será a sede do Museu do Azulejo”, anunciou.

Preservação
A celebração e a importância do Dia Nacional do Patrimônio Cultural estão na promoção e administração do processo de preservação dos bens culturais do país, no fortalecimento da identidade nacional, na garantia do direito à memória e na contribuição para o desenvolvimento socioeconômico do país.

O termo patrimônio histórico cultural diz respeito a tudo aquilo que é produzido, material ou imaterialmente, pela cultura de determinada sociedade que, devido à sua importância cultural e científica em geral, deve ser preservado por representar uma riqueza cultural para a comunidade e para a humanidade. Os profissionais que lidam diretamente com a identificação e preservação do patrimônio histórico cultural são historiadores, historiadores da arte, antropólogos, paleontólogos, arquitetos e urbanistas, entre outros.
O que determina se um bem cultural é ou não patrimônio histórico cultural são a sua relevância histórica para a formação identitária da cultura de um povo e a importância da preservação desse bem para a consequente manutenção cultural daquele povo.

O patrimônio histórico material é o conjunto de bens materiais, físicos, que possuem importância histórica para a formação cultural da sociedade. São exemplos os bens materiais, obras de arte, como pinturas e monumentos, cidades, prédios e conjuntos arquitetônicos, parques naturais, sítios arqueológicos, entre outros.

Já o conceito de patrimônio histórico imaterial é mais abrangente, pois não requer a existência material e imediata de um bem para reconhecê-lo como patrimônio. Podem ser considerados patrimônios históricos culturais imateriais o idioma e os dialetos, a culinária, as festas populares, como o bumba meu boi, os rituais religiosos, os conjuntos de ditos populares, entre outros elementos.

Filmes a serem exibidos

- Bumba meu Boi do Maranhão, Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade –Iphan

- Tambor de Crioula do Maranhão – Iphan

- Conheça São Luís, a 6ª Rua mais bonita do Brasil –Secretaria Municipal de Cultura

- Upaon – Açu, Saint Louis, São Luís – Filme de Joaquim Haickel

- São Luís Encantos e Magias – Filme de Joaquim Haickel

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte