Economia | Empreendedorismo

Norte e Nordeste dominam o varejo e franchising cresce nas regiões

Empreendedora Bianca Marina acreditou e investiu no segmento de Beleza e Estética em São Luís
14/07/2021 às 17h55
Norte e Nordeste dominam o varejo e franchising cresce nas regiõesBianca Marian estuda uma nova unidade após 2021 e tornar-se multifranqueada (Divulgação)

Bianca Marina, 40 anos, mãe e advogada desde 2004, diz que foi "consumida" pelo segmento de Beleza e Estética quando passou a ser franqueada em 2011. A mudança radical foi um dos maiores desafios da vida profissional dela e manter a motivação em alta, sobretudo em período de crise, como a da pandemia de Covid-19, mostra a força do empreendedorismo feminino. Franqueada em São Luís, Bianca Marina chegou ao ponto de equilíbrio do mesmo ano de inserção no franchising, surpreendendo-se com a rápida recuperação do investimento.

Desde julho de 2020 com sua unidade em funcionamento, Bianca sublinha que somente em outubro a unidade apresentou faturamento positivo. Já nos dois meses anteriores, como ela diz, "ficou elas por elas", ou seja, não teve prejuízo, mas também não teve lucro. Bianca segue também com seu trabalho de advocacia e pretende estudar uma nova unidade após 2021 e tornar-se multifranqueada.

O faturamento do setor de Franquias no primeiro trimestre de 2021 teve uma queda de 4% em relação ao mesmo período do ano passado, passando de R$ 41,537 bilhões para R$ 39,881 bilhões. Por outro lado, houve crescimento de 3,3% de novas unidades em operação, contra 2,3% em 2020. Segundo estudo da Associação Brasileira de Franchising (ABF) nos últimos 12 meses, até março deste ano, a receita ficou mais acentuada com a redução do faturamento na ordem de 11,4%.

O setor de Beleza, Estética, Saúde e Bem-estar mostrou sua evolução e sua resiliência, ficando em segundo lugar, com 12,7% de alta, apenas atrás do segmento de Casa e Construção, com crescimento de 36,5%, e seguido por Limpeza e Conservação, com 6,6%.

O Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, que surpreendeu o mundo com alta de 1,2%, e a quebra de recorde de vendas no Varejo em abril e maio, pode dar esperança aos empreendedores junto com a vacinação que será importante para a Economia tomar o rumo da prosperidade. Para se ter ideia, no mês de maio, as vendas do varejo apresentaram aumento de 21%, na comparação do mesmo período no ano passado, recorde da série história iniciada em 1989. As regiões Norte e Nordeste apresentaram evolução nas vendas, totalizando 27,1% e 30,3%, respectivamente.

Números justificados

A pandemia da novo coronavírus fez com que as pessoas ficassem mais em casa, tanto pelo próprio isolamento, como pelo trabalho remoto. E estes são os principais fatores que levam ao crescimento do segmento de Casa e Construção. Isso beneficia o franchising em duas pontas: tanto do consumidor, que tem comprado mais para reformas domésticas; como dos investidores, que perceberam este crescimento e aplicam seu dinheiro em um negócio do nicho.

Já os segmentos de Limpeza e conservação, e Saúde, Beleza e Bem-estar estão diretamente ligados às necessidades de cuidados pessoais e higienização por conta da Covid-19. Mesmo com unidades fechadas por cinco meses em 2020, o franchising nacional fechou com alta na receita em torno de 6,8% em relação a 2019.

Conforme os dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiense Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), segmento manteve faturamento médio 8% na última década. Já a consultoria Euromonitor apontou que o setor possa crescer 4,5% até o final deste ano.


Grandes redes de beleza crescem e expandem para Norte e Nordeste

Os números apontados até aqui mostram, e justificam, o porquê de as regiões Norte e Nordeste serem as 'queridinhas' das expansões das redes de franquias. Em 2020, segundo dados da ABF, o franchising faturou mais de R$ 24 bilhões apenas no Nordeste, que já contava mais de 25 mil unidades, e mais de 23% delas no segmento de Saúde, Beleza e Bem-Estar. Isso favorece ainda mais a aposta das redes deste segmento na busca por novos negócios.

Não+Pelo/No+Vello

Em 2020, quando a multinacional completou dez anos de investimentos no Brasil, a rede modificou completamente seus modelos de negócios. Primeiro, um engajamento de toda a rede através das relações digitais para recuperação das vendas comprometidas pelo isolamento social e lockdown.

A rede, que está fazendo a mudança da tecnologia da luz pulsada intensa para o laser, traz duas modalidades de negócios que englobam um investimento de € 2 milhões para a inovação Sun&Safe, exclusiva no mundo, e um mix de quatro lasers para a unidade premium que segue todo o conceito arquitetônico e marketing sensorial europeu. A primeira unidade foi inaugurada em Juiz de Fora, no mês de abril.

A partir de agora, o interessado pode escolher a modalidade Sun&Safe ou Premium, cujos investimentos iniciais são R$175 mil e R$375 mil, respectivamente, Outro diferencial da rede, segundo o CEO da rede no Brasil, José Rocco, são as taxas de royalties e Publicidade fixas sem variação de porcentagem em relação ao faturamento.

Outro investimento importante para melhorar o treinamento de quem estão na ponta do negócio foi a criação da Universidade Não+Pelo em parceria com a plataforma Benkyou. Assim sendo, os treinamentos passaram a ser mais constantes e, agora, que a rede inicia uma reciclagem de tecnologia, faz-se mais necessário para as vendas.

Por meio dela, os treinamentos, desempenhos das lojas e uma gestão mais eficaz ajudou a rede a superar em 20% a intenção de comercialização de novas unidades em 2020.

Até o início de agosto, a Não+Pelo terá inaugurado oito unidades. As próximas três serão no Maranhão, nas cidades de Santa Inês e Bacabal, e no Pará, em Castanhal. No primeiro semestre, a multinacional abriu unidades em Ananideua e Belém, ambas no Pará. No início de 2020, a primeira unidade foi aberta em Teresina (PI).

Unhas Cariocas

Maior e principal rede de esmalteria do Brasil segue em uma ascensão impressionante. Criada em 2017, mesmo ano que entrou para o franchsing, a marca surgiu justamente por diferenciais que o mercado de cuidado com as unhas não tinha. E isso já foi mais do que suficiente para que a rede evoluísse com velocidade.

Com mais de 70 unidades por todo o País, a Unhas Cariocas se tornou a principal referência em esmalteria brasileira porque oferece um tratamento com produto próprio, e sem uso do alicate, que não apenas ajuda no processo de limpeza das unhas, mas oferece cuidado com as mãos e dedos. Além disso, a marca comercializa próprios para clientes, tanto nas unidades como pelo e-commerce.

Com previsão de lançamento de sua fábrica até o mês de julho, a Unhas Cariocas projeta aumentar seu faturamento em XX%, incluindo seu plano de expansão para a Região Nordeste do País, onde acumula cinco unidade em operação e pretende terminar o ano de 2021 com o dobro de franquias.

Segundo o CEO da Unhas Cariocas, Maurício Cesar, expandir no Nordeste tem relação direta com a aceitação local do seu negócio. “Já tínhamos a região planejada em nosso, mas a receptividade acima das expectativas nos fez antecipar o crescimento no Nordeste. Neste ano, já inauguramos em Recife (PE) e estamos prestes a abrir mais duas unidades, em Maceio (AL) e Fortaleza (CE). Até o final de 2021 pretendemos ter 10 unidades na região Nordeste”, comenta e projeta Maurício.


Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte