Política | Covaxin

Eliziane ironiza declaração de Bolsonaro sobre prevaricação

Senadora maranhense de oposição no Congresso Nacional citou posicionamento do presidente da República no caso Covaxin
Ronaldo Rocha da editoria de Política13/07/2021 às 09h46
Eliziane ironiza declaração de Bolsonaro sobre prevaricação Reprodução

SÃO LUÍS - A senadora Eliziane Gama (Cidadania) ironizou uma declaração do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), a respeito do caso de possível prevaricação do chefe da União vinculado ao contrato de compra da vacina Covaxin.

Em entrevista à imprensa na segunda-feira [12], Bolsonaro afirmou que a prevaricação se aplica a servidor púbico, e não a ele.

“Prevaricação se aplica a servidor público, não a mim” disse o presidente em relação ao caso Covaxin. O presidente é o que? Servidor privado?”, escreveu Eliziane em seu perfil em rede social.

Bolsonaro se posicionou sobre o tema logo após o encontro com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux. A declaração ocorreu após o STF, a pedido da Procuradoria-Geral da República, ter autorizado a Polícia Federal a abrir inquérito para investigar se Bolsonaro prevaricou no caso das supostas irregularidades na negociação da vacina indiana Covaxin.

"O que eu entendo que é prevaricação se aplica a servidor público e não se aplicaria a mim. Mas qualquer denúncia de corrupção, eu tomo providência. Até o do Luis Lima, mesmo conhecendo toda a vida pregressa dele, a vida atual dele, eu conversei com Pazuello: 'Pazuello, tem uma denúncia aqui do deputado Luis Lima que estaria algo errado acontecendo. Dá pra dar uma olhada?' Ele viu e não tem nada de errado: 'Já estamos tomando a providência. Vamos corrigir o que está sendo feito'. Agora, você pode ver. Foi corrigido. Ele falou comigo na véspera do meu aniversário, 20 de março, se não me engano, foi lá. Deixou alguns papéis lá. Não entrei com profundidade se era invoice, se não era", explicou o presidente.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte