Cidades | Balneabilidade

Apenas dois trechos de praia estão aptos para banho na capital

Segundo amostras de água de oito pontos da Av. Litorânea, apenas um está apropriado para banho
12/06/2021 às 00h00
Apenas dois trechos de praia estão aptos para banho na capitalPlacas apontando a impropriedade da água para banho estão na orla (Divulgação/Matheus Soares)

São Luís - Apenas o trecho da Avenida Litorânea, localizado entre a Ponta do Farol e o Forte de São Marcos, está apropriado para o banho de mar, segundo o levantamento mais recente feito pelo Laboratório de Análises Ambientais (LAA) da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Sema). As praias margeadas pela Avenida Litorânea são as mais movimentadas da cidade, principalmente nos fins de semana e dias de feriados, mesmo no período pandêmico da Covid-19.

O exame de balneabilidade das praias foi realizado no período de3 de maio até o último dia 31. De acordo com a Sema, os técnicos da LAA coletaram e analisaram amostras de água de 22 pontos distribuídos nas praias da Grande Ilha. Somente, na orla da Litorânea, um total de oito pontos foram monitorados.

Nessa localidade, segundo a Sema, apenas o trecho da praia, localizado entre a Ponta do Farol e o Forte de São Marcos, está próprio para o banho de mar. O monitoramento de balneabilidade obedece aos padrões estabelecidos na Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) de nº 274/2000. A ocorrência de chuva influencia negativamente na qualidade das águas das praias, considerando que ocorre o maior carreamento de matéria orgânica proveniente da lavagem das vias públicas para os rios e, consequentemente, para os mares.

Desrespeito
Apesar das várias placas instaladas ao longo da Avenida Litorânea, informando que a praia está imprópria para o banho, as pessoas acabam desobedecendo. Na manhã de sexta-feira, 11, havia crianças em poças d’água e brincando na areia.

Também era possível observar várias pessoas, inclusive idosos, tomando banho de mar. Ana Régia Almeida, de 34 anos, disse que é ciente que a água está poluída, mas, mesmo assim, deixou seus dois filhos, menores, tomarem banho no mar. “Não tem como trazer uma criança na praia e não tomar banho de mar. A criança gosta de água”, frisou.

A vendedora autônoma Maria Auxiliadora Silva, de 29 anos, também estava em contato com a água poluída. “Olhei a placa informando que esse trecho está inapropriado para o banho e tenho ciência que posso adquirir doença, principalmente na pele, como coceira, mas no momento é difícil encontrar uma parte do mar da Ilha próprio para o banho”, comentou Maria Silva.

O biólogo e especialista em Engenharia Ambiental, Ronald Pereira, informou que são inúmeras as enfermidades que podem ser transmitidas a banhistas em águas poluídas. Eles podem contrair viroses, como hepatite e tendo como os sintomas comuns diarréia, vômito e febre. Também podem adquirir doenças bacterianas, como salmonelose e shiguelose. Segundo o biólogo, as bactérias estão em alimentos cujos retos são despejados na praia. Além dessas doenças, as praias poluídas podem transmitir micoses e infecções na pelo dos banhistas.

Língua negra
Os banhistas da praia do Calhau, nas proximidades do parquinho, pelo menos três ou quatro vezes por ano observam a presença de uma língua negra, na foz do Rio Calhau, que de acordo com os especialistas da área do meio ambiente, decorre do despejo de esgoto no rio.

A água é escura, de odor incômodo, que aparentemente parece ser esgoto, percorre uma extensa faixa de areia até se encontrar com o mar. A primeira vez que esse rastro de poluição foi registrado foi no ano de 2015.

O problema voltou a ocorrer nos meses de marco e novembro de 2016 como também foi registrado nos anos seguintes. Somente no ano de 2019, a língua negra foi observada na foz do rio Calha por três vezes. A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema), na época, chegou a assumir que o problema teria sido causado por falhas em estações elevatórias da companhia.

SAIBA MAIS

Balneabilidade da Litorânea

  • Trecho da Ponta do Farol ao Forte de São Marcos: próprio para banho
  • Trecho praia de São Marcos em frente a praça do Pescador: impróprio para banho
  • Trecho em frente ao posto de guarda-vidas dos Bombeiros: impróprio para o banho
  • Trecho e m frente ao prédio verde com o heliporto: impróprio para o banho
  • Trecho em frente a praça de alimentação da Litorânea: impróprio para o banho
  • Trecho da praia do Calhau: impróprio para o banho
  • Trecho em frente ao Círculo Militar: impróprio para o banho
  • Trecho próximo a pousada Suíça: impróprio para o banho

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte