Cidades | Coronavírus

Hospital de Campanha de São Luís já está em pleno funcionamento

Unidade de saúde foi montada no Espaço Renascença e conta com 80 leitos - UTI, enfermaria e ambulatório - destinados a pacientes com Covid-19
Ismael Araújo / O Estado02/04/2021
Hospital de Campanha de São Luís já está em pleno funcionamentoPrimeiro paciente transferido de uma das UPAs de São Luís para o Hospital de Campanha, na tarde de ontem (Divulgação)

São Luís - O Hospital de Campanha de São Luís, localizado no Espaço Renascença, começou a receber pacientes nesta quinta-feira, 1º, mas a movimentação de pessoas foi considerada baixa e a expectativa era da chegada de pacientes provenientes de UPAs e outros municípios. A unidade de saúde foi inaugurada na quarta-feira, 31, pelo governador Flávio Dino, e possui 80 leitos destinados a pacientes com Covid-19.

Na manhã de ontem, ainda não havia registro de entrada e saída de ambulâncias no hospital. A movimentação de profissionais da área de saúde era mínima e não foi observada a chegada de pacientes pela porta central. A primeira ambulância com paciente chegou no meio da tarde. Até o fechamento desta edição, uma mulher e um homem provenientes das UPAs da Cidade Operária e Itaqui-Bacanga tinham sido encaminhados para a unidade de saúde.

Um funcionário, que não se identificou e estava na entrada do hospital, disse que no decorrer das primeiras horas de ontem não tinha ocorrido ainda nenhum atendimento médico de emergência.

O governador Flávio Dino declarou, durante entrevista virtual, ocorrida na manhã de quinta-feira, 1º, que as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) vão continuar sendo a porta de entrada para as pessoas com suspeita da Covid-19 e, conforme a gravidade, serão transferidas para o Hospital de Campanha de São Luís.

Inauguração
Flávio Dino, em companhia de autoridades, inaugurou, na tarde de quarta-feira, 1º, o Hospital de Campanha de São Luís. Este é o quarto do tipo em operação atualmente no estado e os outros estão localizados nas cidades de Bacabal, Pedreiras e Imperatriz.

O governador disse que essa unidade de saúde é resultado de uma parceria com o Grupo Mateus, Equatorial Energia, Universidade Ceuma, Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc) e a Secretaria de Estado de Saúde (SES). “A união entre poder público e empresas privadas é um bom caminho para combater a pandemia”, comentou o governador.

A reitora da Universidade Ceuma, Cristina Nitz, disse que a proximidade entre o Espaço Renascença e o Hospital Carlos Macieira foi fundamental para a universidade ceder o local ao governo estadual. “A nossa instituição é ensino, pesquisa e extensão, mas nós temos um papel de responsabilidade social”, frisou Cristina Nitz.

O empresário Ilson Mateus declarou que todos precisam se unir para enfrentar a pandemia. “É o momento de as pessoas serem mais humanas e essa parceria público-privado vem selar isto. Nós estamos trabalhando arduamente, em várias frentes, ajudando o Estado e alguns municípios, procurando sempre fazer o melhor”, afirmou.

Estrutura
O espaço onde o hospital de campanha está instalado foi cedido pela Universidade Ceuma, enquanto o Grupo Mateus está arcando com a estrutura e a Equatorial disponibilizando a energia elétrica. A SES, por meio da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh), será responsável pela operacionalização da unidade e sendo que a articulação desse processo foi arranjada pela Seinc.

A unidade de saúde conta com 80 leitos, sendo 10 de UTI, 20 ambulatorial e 50 de enfermaria. São cerca de 600 profissionais atuando na linha de frente, entre assistente social, agente de portaria, auxiliar administrativo, auxiliar de farmácia, auxiliar de hotelaria, auxiliar de manutenção, copeira, enfermeiro, enfermeiro – UTI, farmacêutico, fisioterapeuta, fisioterapeuta – UTI, fonoaudiólogo, maqueiro, motorista, nutricionista, psicólogo, recepcionista, técnico em enfermagem e técnico em segurança do trabalho.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte