Cidades | Março Azul

840 internações por câncer colorretal no Maranhão em 2020

De 2010 a 2019, foram 1.610 óbitos causados pelo câncer que atinge o reto e intestino; especialistas alertam para casos não diagnosticados
Bárbara Lauria / O Estado 31/03/2021
840 internações por câncer colorretal no Maranhão em 2020O câncer colorretal pode ser identificado a partir de alterações no reto e intestino, por meio de exames (Divulgação)

São Luís – A campanha “Março Azul”, traz alertas para os casos de câncer colorretal (cólon ou do reto, localizado na extremidade inferior do trato digestivo), que é considerada a segunda neoplasias mais letal para homens e mulheres no Brasil. No Maranhão, de acordo com os dados levantados pela Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (Sobed), em 2020, 840 pessoas foram internadas pela doença no estado.

Em 2019, o número de internações havia sido de 858 paciente e, desses, 218 vieram a óbito. Ao todo, entre 2010 e 2019, 1610 pessoas morreram em decorrência do câncer de cólon e reto. Os casos aumentam, em média, cerca de 5% a cada ano, tendo sido observado um crescimento de 51% no cenário nacional em relação aos casos registrados em 2010, em que 13.070 casos foram registrados em todo o Brasil.

O câncer colorretal pode ser identificado a partir de alterações no reto e intestino e, de acordo com o especialista presidente da Sobed, Ricardo Anuar Dib, o ideal é que a população faça preventivos para que a doença possa ser descoberta precocemente e o tratamento seja mais eficaz. “O diagnóstico de câncer colorretal não é sentença de morte! No entanto, é um problema de saúde que, se não for bem tratado, pode ter consequências sérias para o bem-estar do paciente”, explicou.

Por ser uma doença que apresenta poucos sinais no seu início, é importante que os exames de prevenção sejam recorrentes, principalmente em pessoas a partir dos 50 anos, idades com maiores incidências de casos. “Existem métodos diagnósticos de menor complexidade e que podem ser oferecidos de forma sistematizada pelo SUS para rastrear pacientes mais propensos a desenvolver esse tipo de câncer. Quando alterações no reto e intestino são diagnosticadas em estágios iniciais, há possibilidade de intervir precocemente e prevenir uma evolução desfavorável, na maioria dos casos", explica o coordenador da Campanha Março Azul, Marcelo Averbach.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), além da idade, os principais fatores que podem aumentar os riscos de desenvolver a doença são o excesso de peso corporal; alimentação não saudável; consumo de carnes processadas e a ingestão excessiva de carne vermelha; histórico familiar de parentes com outros tipos de câncer; tabagismo e consumo de bebidas alcoólicas; doenças inflamatórias do intestino; e a exposição à radiação ionizante, como aos raios X e gama.

Pandemia da Covid-19
De acordo ainda com a Sobed, a pandemia da Covid-19 causou a 23% da demanda por exames de sangue oculto e 31% das colonoscopias no SUS, exames realizados para identificar a presença do tumor. No Maranhão, a queda de exames de sangue oculto nas fezes foi de 75% enquanto a colonoscopias teve redução de 31%.

Essa redução pode ser resultado do isolamento e do receio que muitos pacientes estão tendo em frequentar clinicas e hospitais durante o período de propagação do coronavírus. De acordo com Ricardo Anuar, o exame que investiga a presença de sangue nas fezes ainda está aquém do adequado, pois apesar de ser um procedimento simples, é considerado primordial para o diagnóstico. Já a colonoscopia é o exame indicado aos pacientes em que existe uma suspeita diagnóstica.

"É preciso mobilizar toda a sociedade para reverter com urgência essa grave situação. Apenas ampliando o acesso aos procedimentos diagnósticos, será possível reduzir os altos números de mortes e hospitalizações verificados no Brasil”, conclui Marcelo Averbach.

SAIBA MAIS

Como prevenir?

  • De acordo com o Inca, algumas medidas podem ser tomadas para se prevenir contra o câncer colorretal, são elas:
  • Manutenção do peso corporal adequado;
  • Prática de atividade física;
  • Alimentação saudável composta, principalmente, por alimentos in natura e minimamente processados, como frutas, verduras, legumes, cereais integrais, feijões e outras leguminosas, grãos e sementes;
  • Não fumar e não se expor ao tabagismo.

Sintomas

  • Os sinais mais comuns de câncer de cólon e reto são:
  • Sangue nas fezes
  • Alteração do hábito intestinal (diarreia e prisão de ventre alternados)
  • Dor ou desconforto abdominal
  • Fraqueza e anemia
  • Perda de peso sem causa aparente
  • Alteração na forma das fezes (fezes muito finas e compridas)
  • Massa (tumoração) abdominal
Caso o paciente apresente algum desses sintomas é importante que procure atendimento médico.

NÚMEROS

1610 Pessoas vieram a óbito entre 2010 e 2019
840 Pessoas foram internadas em 2020 no Maranhão
31% foi a redução do número de exames de colonoscopia durante a pandemia da Covid-19

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte