Geral | Pesquisa

Pandemia travou avanços em relação a infância em todo o mundo

O progresso recuou em praticamente todos os principais indicadores relacionados à infância, afirma o UNICEF, um ano após a declaração de pandemia
15/03/2021
Pandemia travou avanços em relação a infância em todo o mundoBanco de imagens/Freepik

Nova Iorque – Um ano desde que a Covid-19 foi declarada uma pandemia, os últimos dados disponíveis do UNICEF revelam um novo normal devastador e distorcido para as crianças do mundo.

“Um ano após o início da pandemia de Covid-19, o progresso retrocedeu em praticamente todas os principais indicadores relacionados à infância”, disse Henrietta Fore, diretora executiva do UNICEF. “Aumentou o número de crianças com fome, isoladas, abusadas, ansiosas, que vivem na pobreza e são forçadas a se casar. Ao mesmo tempo, diminuiu seu acesso a educação, socialização e serviços essenciais, incluindo saúde, nutrição e proteção. Os sinais de que as crianças carregarão as cicatrizes da pandemia nos próximos anos são inequívocos”.

Como a pandemia de Covid-19 afetou as crianças:

Até março de 2021, 13% dos 71 milhões de infecções por Covid-19 em 107 países (62% do total de infecções globais) com dados desagregados por idade eram entre crianças e adolescentes com menos de 20 anos.

Nos países em desenvolvimento, prevê-se que a pobreza infantil aumente em cerca de 15%. Estima-se que 140 milhões de crianças a mais viverão abaixo da linha da pobreza nesses países.

As escolas para mais de 168 milhões de crianças e adolescentes em idade escolar em todo o mundo estão fechadas há quase um ano. Dois terços dos países com fechamento total ou parcial estão na América Latina e no Caribe.

Pelo menos um em cada três estudantes não conseguiu acessar o ensino a distância enquanto suas escolas estavam fechadas.

Cerca de 10 milhões de casamentos infantis adicionais podem ocorrer antes do final da década, ameaçando anos de progresso na redução da prática.

Pelo menos um em cada sete crianças e jovens viveu sob políticas de permanência em casa durante a maior parte do último ano, o que levou a sentimentos de ansiedade, depressão e isolamento.

Até novembro de 2020, mais de dois terços dos serviços de saúde mental para crianças e adolescentes foram interrompidos.

Até novembro de 2020, entre 6 milhões e 7 milhões de crianças menores de 5 anos a mais podem ter sofrido de baixo peso ou desnutrição aguda naquele ano, resultando em quase 54 milhões de crianças com baixo peso, um aumento de 14% que poderia se traduzir em mais de 10.000 mortes infantis adicionais por mês – principalmente na África ao sul do Saara e na Ásia Meridional. Com um declínio de 40% nos serviços de nutrição para crianças e mulheres, muitos outros resultados nutricionais podem piorar.

Até novembro de 2020, mais de 94 milhões de pessoas corriam o risco de perder vacinas devido a pausas nas campanhas de vacinação contra o sarampo em 26 países.

Até novembro de 2020, em 59 países com dados disponíveis, refugiados e requerentes de asilo não tinham acesso ao apoio de proteção social relacionado à Covid-19 devido ao fechamento de fronteiras e aumento da xenofobia e exclusão.

Cerca de 3 bilhões de pessoas em todo o mundo não possuem instalações básicas para lavar as mãos com água e sabão em casa. Nos países menos desenvolvidos, três quartos das pessoas, mais de dois terços das escolas e um quarto dos estabelecimentos de saúde carecem dos serviços básicos de higiene necessários para reduzir a transmissão da Covid-19. Em média, 700 crianças menores de 5 anos morrem todos os dias de doenças causadas pela falta de água, saneamento e higiene.

“As crianças devem estar no centro dos esforços de recuperação”, disse Fore. “Isso significa priorizar escolas nos planos de reabertura. Significa fornecer proteção social, incluindo transferências de dinheiro para as famílias. E significa alcançar as crianças mais vulneráveis com serviços essenciais. Só então podemos proteger esta geração de se tornar uma geração perdida”.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte