Geral | novas variantes do coronavírus

Infectologista reforça a importância dos protocolos de segurança

Com o surgimento de novas mutações do SARS Cov2, as regras de segurança devem ser ainda mais reforçadas; atenção especial para as crianças, que podem ser assintomáticas
26/02/2021 às 15h00
Infectologista reforça a importância dos protocolos  de segurança. (Divulgação)

São Paulo - A pandemia causada pelo vírus SARS CoV-2, com início em dezembro de 2019, ainda nos surpreende. Aprendemos a lidar com o distanciamento social, usar máscaras e fazer uso constante do álcool gel para higiene das mãos. Com o desenvolvimento da vacina, uma esperança foi depositada no retorno às atividades. Entretanto, sabemos por experiências com outros tipos de vírus que eles são organismos que estão em constante mudança e não seria diferente com o SARS CoV-2, era uma questão de tempo.

"As variações genéticas ocorrem continuamente e podem levar ao surgimento de novas variantes com características diferentes. Por exemplo uma nova variante do vírus pode conseguir se disseminar mais rápido, causar doença mais grave ou ser capaz de escapar do sistema de defesa do organismo de forma mais eficaz", explica a médica Fabianne Carlesse, infectologista pediátrica do Hospital do GRAACC.

Novas variantes mesmo cuidado
Três novas variantes de SARS CoV-2 merecem destaque e estão sendo estudadas mais profundamente. Uma delas foi descoberta em janeiro deste ano no Brasil. "São necessários estudos complexos para entender as implicações dessas novas variantes por isso vale a pena reforçar que até o momento não dispomos de medidas farmacológicas eficazes contra o SARS CoV-2, não temos cobertura vacinal adequada e, portanto, a única arma que dispomos é a prevenção através das medidas que temos adotado durante toda essa pandemia", comenta a infectologista.

Distanciamento social, uso de máscaras adequadamente cobrindo nariz e a boca com troca no momento certo e a higienização frequente das mãos com álcool gel continuam sendo as medidas mais seguras para a prevenção. Com a volta as aulas e com o início do período do ano em que a propagação de outros vírus respiratórios é esperada, faz-se necessária a adoção dessas medidas.

"Assim como aconteceu no início da pandemia, todos os cuidados devem ser tomados. Com o surgimento de novas cepas devemos redobrar os cuidados e distanciamento social, principalmente com as crianças, que podem ser portadoras ativas do vírus, mesmo que não apresentem qualquer sintoma", orienta a médica.

LEMBRE-SE

• Nunca fique sem a máscara quando estiver em qualquer outro ambiente que não seja sua casa e tenha, pelo menos, uma máscara reserva para a necessidade de troca.
• A máscara é indicada para crianças a partir de dois anos.
• Em casa higienize os sapatos e deixe-os em locas específico e, se possível, junto com outros objetos como carteiras, bolsas, chaves e até mesmo celulares.
• Em bares e restaurantes tire a máscara para beber ou comer e coloque assim que terminar.
• Apesar da oferta de álcool em gel no comércio em geral, tenha sempre um frasco com você para qualquer eventualidade ou emergência.
• Evite e não deixe que as crianças toquem paredes, portas, corrimões, botões e qualquer tipo de superfície.
• Redobre a atenção quanto ao uso de celulares e tabletes enquanto estiver em ambiente externo e mantenha-os sempre higienizados.
• Prefira passeios ao ar livre em locais em que o distanciamento social seja possível.
• Evite aglomerações, seja em parques, clube, piscina e, principalmente, em locais fechados como shoppings, lojas e supermercados. Neste último, evite ficar mexendo em produtos nas gôndolas.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte