Cidades | Imunização

Mais de 13 mil receberão segunda dose da vacina nesta semana em São Luís

De acordo com a Prefeitura de São Luís, mais de 7 mil pessoas já receberam segunda dose da CoronaVac durante o fim de semana; epidemiologista alerta para necessidade de manter cuidados
Bárbara Lauria / O Estado16/02/2021
Segunda dose da vacina contra a Covid-19 já está sendo aplicada em profissionais de saúde de SL

São Luís – A esperada imunização finalmente se tornou realidade para os profissionais de saúde de São Luís que, desde o último sábado, 13, vem recebendo a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Já são 7.881 pessoas imunizadas, segundo a Secretária Municipal de Saúde (Semus), que ressaltou que mais de 13 mil pessoas receberão a segunda dose da vacina CoronaVac durante esta semana.

Gilmar Paiva, tecnólogo de radiologia, trabalha com tomografia e passou o último ano acompanhando de perto os pacientes com Covid-19. Ele conta que depois de tanto receio, é um alívio saber que está imunizado e espera que o mesmo possa acontecer logo com resto da população. “Fiquei bem ansioso e animado com a chegada da vacina. Hoje, eu estou tomando a segunda dose e agora é torcer para que a vacinação seja ampliada e todos tenham acesso, e que a gente continue seguindo as medidas de proteção para vencer esse vírus”, enfatizou.

No momento, além das vacinas CoronaVac recebidas no dia 19 do mês de janeiro para a aplicação da segunda dose, o Município de São Luís ainda dispõe de estoque de vacinas AstraZeneca, oriundas da primeira remessa da fabricante. De acordo ainda com a Semus, esta semana iniciou com aproximadamente 9 mil doses de vacinas CoronaVAc e AstraZeneca no estoque contra a Covid-19.

Contudo, mesmo com a imunização completa, o epidemiologista Antônio Augusto ressaltou a necessidade de se manter os cuidados, pois ainda há risco de contaminação, tanto pela nova variante vinda de Manaus, quanto pelo risco de contaminação nos primeiros dias após a imunização, quando ainda não há tanta eficácia. “Primeiro que a proteção só ocorre depois de 15 a 30 dias após a segunda dose. Segundo, que a vacina não protege totalmente da doença, apenas diminui o risco de contágio. Assim, é importante continuar usando máscara, mantendo o distanciamento físico, evitando aglomerações e ambientes fechados e limpando sempre as mãos para diminuir o risco mais ainda”.

De acordo com os dados do consórcio de imprensa, o Maranhão, até o momento, já vacinou cerca de 1,42%, contanto, Antônio Augusto ressalta somente depois que 70% da população tiver vacinado e a transmissão tiver sido bastante reduzida será possível, talvez, o retorno da vida normal.

Idosos
Os idosos que vivem em Lares de Longa Permanência tiveram o início da aplicação da segunda dose desde a última sexta-feira, 12, e ocorreu durante todo o final de semana. Apesar de já estarem imunizados, o Epidemiologista lembra que no caso dos idosos é essencial continuar mantendo os cuidados, principalmente por serem grupo de risco.

“A vacina diminui o risco de contaminação e de ter doença grave após cerca de 30 dias da segunda dose em idosos. Nesse momento em que a transmissão está elevada permanecer em isolamento é a decisão mais sensata. Relaxar o isolamento só estará indicado quando conseguirmos vacinar a maior parte da população”.

A partir desta semana, por determinação do prefeito Eduardo Braide, os idosos serão vacinados somente no drive-thru e obedecendo a critérios como idade e mês de nascimento. Ainda de acordo com a Prefeitura, no caso deste público, não é mais necessário esperar o contato do Município, podendo o (a) idoso (a) se deslocar até o drive, situado no campus Bacanga da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

O horário de vacinação é de 8h às 17h e é preciso levar um documento de identificação com foto. Os idosos precisam ter se cadastrado no Vacina São Luís. Na manhã da segunda-feira, 15, foram contemplados idosos de 87 anos com nascimento de janeiro a junho. Já a tarde, os nascidos de julho a dezembro foram vacinados. Nesta terça-feira, 16, os idosos de 86 anos serão vacinados e, na quarta-feira, 17, quem receberá a imunização são os idosos de 85 anos de idade.

SAIBA MAIS

.

Proporcionando mais um dia de vida

Juliana Oliveira Guimarães é doutora em fisioterapia intensiva e recebeu nesta segunda-feira, 15, a segunda dose da imunização. Ela conta que após um ano lutando para salvar vidas e ajudando na recuperação dos pacientes com Covid, ela vê na vacina uma forma de sobrevivência.

“Estamos vivendo uma etapa de nossas vidas bastante avassaladora da pandemia da Covid-19. Os profissionais de saúde são os considerados linhas de frente neste enfrentamento, destacando a participação do fisioterapeuta na promoção, reabilitação e tratamento na fase inicial da doença e nas complicações de Síndromes Pós-Covid, em âmbito de Urgência e Emergência, UTI e Clínico (ambulatorial, consultórios e clínicas), onde a nossa luta é árdua para sobrevivermos com uma gama de paramentação, e equipamentos de suporte a fim de auxiliarmos na nossa sobrevivência e na de nossos pacientes. A cada resultado alcançado e vidas restabelecidas vibramos, pois conquistamos a dádiva de proporcionar mais um dia de vida aos nossos pacientes. A primeira dose e a segunda dose da vacina do Coronavírus foi bem esperada pelos profissionais da área de saúde, assim como a população em geral. Foram realizadas triagens como forma de coletar dados para melhor assegurar os sintomas e complicações que por ventura ou não aparecer com a vacina. A expectativa é com esta etapa de imunização das doses os profissionais e a população possam caso apresentem algum sintoma não evoluir para algo mais grave, ou possam combater algumas variantes do vírus. Faz-se necessário continuarmos usando máscaras e evitar aglomerações para nos protegermos das demais variantes”, relatou a fisioterapeuta.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte