PH | COLUNA SOCIAL

Pergentino Holanda

11/02/2021
ESTA É UMA semana de muitas recordações dos eventos de Carnaval promovidos com o selo desta coluna. Anderson Bentes de Sousa e Michelinne, por exemplo, fizeram questão de postar ontem em suas redes sociais este registro de um dos almoços do PH Revista realizado na primeira década deste novo milênio

Esquecer
Faço coro com o jornalista Jeferson Tenório quando diz que somos feitos daquilo que lembramos e esquecemos. Esquecemos porque precisamos seguir.

O novo não acontece quando bloqueamos e deletamos informações ou pessoas de nossas redes, mas quando respeitamos o tempo da memória humana.

Podemos esquecer o comezinho, a lista do supermercado ou o nome de um filme, no entanto, os traumas, os afetos e as perdas permanecem tatuados na memória para sempre.

Esquecer não significa ser indiferente ao que se passou, mas estabelecer uma nova relação com o passado.

Esquecer... 2
O assunto vem à baila com caso de Aída Curi, assassinada em 1958 no Rio de Janeiro. Em 2004, o crime foi reconstituído pelo programa Linha Direta, da TV Globo.

A família de Curi acionou a Justiça em busca de indenizações e pelo “direito ao esquecimento”. O ministro do STF, Dias Toffoli, relator do caso, declarou
que “O direito ao esquecimento” poderia restringir a liberdade de expressão e o direito da população de ser informada sobre fatos relevantes da sociedade.

Esquecer... 3
A memória não pode ser censurada, lembra Jeferson Tenório, por mais que ela nos doa. Esquecer não é um direito, esquecer é uma luta. Seja para esquecer a dor, um fato ou para encobrir algum passado obscuro e que nos envergonhe.

Todos nós, em algum momento da vida, já quisemos esquecer algo ou alguém deforma rápida e indolor. Desejamos um tipo de pílula que pudesse fazer isso sem deixar rastros, nem ruínas do que se passou e, assim, chegarmos finalmente ao brilho eterno de uma mente sem lembranças.

Esquecer... 4
Lembrar é um atestado de que algo foi esquecido. Por isso, a lembrança é mais dolorosa que o esquecimento.

O crítico Roland Barthes, ao analisar a obra Em Busca do Tempo Perdido, do escritor francês Marcel Proust, diz, em algum momento, que o narrador
de Proust nunca lembra, porque nunca esquece.

É uma frase hiperbólica, mas que dá a dimensão do projeto proustiano: uma busca por todas as sensações que a memória pode provocar.
A lembrança é a conta que pagamos para dar sentido à vida. Seja ela boa ou ruim.

Barreirinhas entre os preferidos
Embora o trade turístico maranhense lamente as perdas que o cancelamento do Carnaval traz, no setor hoteleiro também as previsões não são boas como sempre, mas tudo indica que não será tão mal assim. Já que em tempos de pandemia (e também de dólar caro), os brasileiros preferem ficar por aqui, uma das maiores agências de viagens do Brasil, diz que Porto Seguro, na Bahia, e Fortaleza, no Ceará, dividem com Barreirinhas, no Maranhão, a preferência da
procura nos dias que seriam da folia.

TRIVIAL VARIADO
Os bancos, particulares como o Bradesco e oficiais como a Caixa, com cada dia mais, menos funcionários, não vão trabalhar no Carnaval. A pedido dos
bancários, vão decretar ponto facultativo segunda e terça.

Na Maranhão, o Carnaval virou uma miscelânea de decisões. Alguns prefeitos decretaram ponto facultativo, outros não. Mas nos municípios de forte aceno
turístico, sim.

A expectativa é de que o concurso para a Polícia Federal, que teve inscrições encerradas terça-feira, tenha um número de candidatos bem acima do último
certame, em 2018. Três anos atrás, foram quase 150 mil concorrentes. O número de vagas, 1,5 mil, é o triplo do concurso anterior. As provas estão
previstas para o dia 21 de março.

O coelhinho está mais apressado do que nunca. Faltam mais de 50 dias para a Páscoa, mas os ovos de chocolate já começaram a chegar aos supermercados.

Sob a liderança de Luiza Trajano, presidente do conselho de administração do Magazine Luiza, foi lançado o movimento Unidos pela Vacina. O objetivo é
polêmico: imunizar todos os brasileiros contra o coronavírus até setembro.

– Sabemos que é um desafio, mas queremos vencê-lo. Não vamos comprar vacinas, mas podemos agilizar, construir pontes e eliminar obstáculos. Podemos
chegar a julho e dizer ?não vamos conseguir, vai faltar vacina?. Mas se a gente não se impõe uma meta, não se desafia – justificou Luiza.

Uma pesquisa informal sobre sobre a ocupação dos 10 maiores hotéis de São Luís mostra que janeiro de 2021 foi o pior desempenho desde 2001, portanto 20 anos atrás, quando a contagem começou a ser feita.

Aliás, em 2001, o janeiro da dobrada do século, o nível de ocupação chegou a a mais de 90 por cento, recorde até hoje não superado. A ocupação deste ano foi quase 30 por cento menor do que a do ano passado.

Um aviso para os que gostam de trilhar na contramão da ciência (e do bom senso). O Ministério Público do Trabalho ressalva: o trabalhador que se recusar a
tomar a vacina contra Covid-19 pode ser demitido por justa causa.

Tem mais: três decisões do STF respaldam a iniciativa. E convenhamos, é muito justa essa justa causa. Ninguém tem o direito de se colocar em risco
deliberadamente puxando outros.

Os tradicionais frequentadores da Oak Wine não se conformam com o fechamento da casa, uma das mais bonitas do gênero no Brasil. Tomara que apareça um
empresário para não deixar morrer o local que marcou época na gastronomia maranhense!

Eu quero que alguém diga honestamente que isso encontra abrigo na Constituição. É chocante. É constrangedor (...) Esses hackers de Araraquara são
o novo Gabriel García Márquez ou estamos diante de fatos de gravidade”. Foi o que disse Gilmar Mendes, ministro do STF, sobre diálogos entre membros da Lava Jato obtidos pela Operação Spoofing.

DE RELANCE
Morre Ivan Izquierdo

A ciência brasileira está de luto. Morreu na terça-feira, dia 9, o neurocientista e pesquisador Iván Izquierdo, aos 83 anos, vítima de uma pneumonia (não há relação com a Covid-19, apesar de o pesquisador ter contraído o vírus no ano passado e se recuperado bem da doença). Ele faleceu em sua casa, em
Porto Alegre (RS). Izquierdo, que nasceu em Buenos Aires, capital da Argentina, e vivia na capital gaúcha desde 1977 com a família, foi o descobridor de um dos principais mecanismos bioquímicos da memória.

Morre Ivan Izquierdo...2
No capítulo: o fenômeno conhecido como “dependência de estado endógena e a separação funcional entre as memórias de curta e longa duração”, concedeu ao pesquisador o título de um dos maiores especialistas em memória do mundo. A psiquiatra e psicanalista maranhense Lisieux Campos, que fez residência médica de especialização em psiquiatria, em Porto Alegre, tinha estreitas ligações de amizade com vários profissionais gaúchos de sua geração que gravitavam em
torno do grande cientista Izquierdo. Para Lisieux, a morte do pesquisador é uma perda para a ciência, mas um legado para a história e para novos pesquisadores.

Mercado do Peixe
Em atendimento à solicitação de feirantes, o deputadoestadual Duarte Júnior visitou, na última sexta-feira, o tradicional Mercado do Peixe de São Luís, localizado na Praia Grande. Inaugurado em 1995, o importante espaço de distribuição de pescado da capital requer manutenção para oferecer melhores condições sanitárias e estruturais aos consumidores e trabalhadores.

O Valparaíso mudou de nome
Considerado um dos maiores polos turístico, aventureiro e gastronômico do Maranhão, Valparaíso Complexo Turístico, agora se chama Valparaíso Adventure Park e continua inovando em mais tecnologia e segurança para todos os clientes e colaboradores. Segundo o TripAdvisor, o Valparaíso é o maior parque de aventuras do Maranhão, rendendo até o selo de excelência por cinco vezes.

O Valparaíso mudou de nome...2
A propósito: entre as últimas inaugurações no Valparaíso, toda a família pode aproveitar grandes atrações, a exemplo da Tirolesa, que possui um percurso de 220 metros, e a Isla Negra, uma piscina de ondas com 65m de largura, 73,70m de comprimento e capacidade para 1.800.000 litros de água. É importante lembrar que o parque funciona apenas com 50% de sua capacidade. Segue rigorosamente todos os protocolos sanitários.

Efeitos da pandemia
A pandemia do novo coronavírus não só deixou um rastro de 2,9 mil mortes entre a população maranhense, como também começa a causar impactos futuros, atingindo as taxas de natalidade no Maranhão. Levantamento da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado do Maranhão, com base nos registros de nascimentos realizados nos 217 cartórios de Registro Civil do Estado existentes, mostra uma queda histórica de 26% nos nascimentos em janeiro de 2021, primeiro mês após o período normal de gestação, desde a chegada da Covid-19 no Brasil, em que os casais optaram por ter filhos ou não, já com
a crise sanitária instalada no País.

Latinos em alta
A América Latina venceu – mais uma vez – no mercado americano. Quatro anos depois do sucesso avassalador de Despacito, a música latina continua em vertiginosocrescimento. Uma pesquisa divulgada no início deste mês pelo instituto Alpha Data, fonte oficial de dados para os rankings da revista Rolling Stone, aponta que a busca por música latina cresceu 25% nas plataformas de streaming de 2019 para 2020. Foi a maior elevação depois de estilos musicais diretamente impactados pelo distanciamento social, como easy listening (39%), música para crianças (28%) e nova era (27%). Sucesso no verão de 2017, Despacito foi a consolidação de uma onda de latinidade viabilizada pelo streaming.

Para escrever na pedra:
“Certas perdas trazem consigo ganhos inesperados. E certos finais são apenas o começo”. De Lídia Vasconcelos, escritora.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte