Política | Maranhão

100 leitos para tratar Covid-19 reabertos pelo governo no estado

Governador havia fechado, desde de junho de 2020, mais de 50% dos leitos exclusivos para pacientes com coronavírus após fim do pico da doença no MA
10/02/2021
100 leitos para tratar Covid-19 reabertos pelo governo no estadoFlávio Dino, que fechou leitos após fim do pico da Covid -19 no MA, anunciou reabertura de 100 leitos (Divulgação)

São Luís - Depois de fechar 51,6% dos leitos exclusivos na rede pública estadual para pacientes com Covid-19 devido à redução no número de casos da doença no estado e agora acompanhar o avanço no Maranhão novo, o governador Flávio Dino (PCdoB) anunciou ontem a reabertura de 100 leitos no estado.

A decisão foi anunciada pelo próprio chefe do Executivo em seu perfil em rede social. Na semana passada, após confirmada a elevação de testes positivos e mortes em decorrência de complicações da Covid-19, Dino admitiu a possibilidade de a nova cepa do vírus já estar em circulação no estado.

“Nas próximas semanas vamos abrir mais 100 leitos para casos de coronavírus. Reforço o pedido para que todos adiram às medidas preventivas, sobretudo ao uso de máscaras”, anunciou o comunista.

Desde o dia 15 de junho de 2020 até o fim de janeiro deste ano, o Governo do Maranhão fechou 51,6% dos leitos existentes na rede pública estadual que estavam destinados exclusivamente para o atendimento de pacientes com o novo coronavírus.

Estavam ativos até junho do ano passado, 1.779 leitos exclusivos para tratamento de pacientes com a doença. Somente na Grande Ilha, por exemplo, havia 752 leitos clínicos, e outros 240 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Em janeiro deste ano, o total de leitos não passava de 860, ou seja, 919 a menos.

Pressão

O governador Flávio Dino tem sido pressionado por entidades de classe, empresários e pela Justiça, a adotar medidas que proporcionem um reequilíbrio no combate ao vírus no estado. Isso porque a Defensoria Pública ingressou com uma ação na Justiça pedindo decreto de bloqueio total de atividades [lockdown] nos 217 municípios do estado.

Na peça, os defensores apontam justamente a nova onda de infecção e o descontrole da doença no Maranhão, aliada ao “sufocamento” da rede pública, com uma oferta de leitos reduzida.

Flávio Dino se posicionou contrário ao lockdown. Disse não haver qualquer estudo científico e sanitário no momento que aponte para o lockdown como solução.

O juiz Douglas Martins, titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, marcou uma audiência de conciliação entre as partes envolvidas para amanhã.

Mais

Em novo boletim epidemiológico divulgado ontem pela Secretaria Estadual de Saúde, há registro de acréscimo de apenas 15 leitos de UTI e de outros 50 leitos clínicos para o tratamento exclusivo da Covid-19 no estado, Se comparados ao mês de janeiro deste ano. No total, há hoje disponíveis 925 leitos. Em junho de 2020, o total de leitos disponíveis era de 1.779.

Governo entrou com ação no STF por mais leitos

Em entrevista a um canal fechado de TV, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), anunciou que vai ingressar com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar o Ministério da Saúde a reabilitar leitos de UTI custeados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e destinados a pacientes com Covid-19 no Maranhão.

“O coronavírus anda muito rápido. Enquanto isso, o Governo Federal, quando age, se atrasa. Foi assim com as vacinas e está sendo assim com esse grave problema dos leitos”, disse.

A declaração de Flávio Dino ocorreu na segunda-feira, 8, apenas 24 horas antes de ele anunciar a reabertura de 100 leitos que haviam sido fechados por sua gestão por não estarem sendo usados quando o pico da Covid-19 passou no Maranhão.

A oposição critica Flávio Dino pelo fechamento dos leitos no estado e diz que o objetivo do governador maranhense é tentar amenizar o desgaste à sua imagem, e ao mesmo tempo responsabilizar Bolsonaro pelo fechamento precoce de leitos no estado.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte