Geral | Vacina contra a Covid-19

Sites fraudulentos simulam cadastro para roubar dados pessoais

Desde o início da semana, especialistas da Kaspersky encontraram domínios de phishing explorando o tema
22/01/2021 às 16h30
Sites fraudulentos simulam cadastro para roubar dados pessoaisSite de phishing criado para roubar senhas de contas de e-mail corporativo (Divulgação)

São Paulo - A corrida pela vacinação contra a Covid-19 começou nesta semana no Brasil. Com ela, uma outra jornada tem movimentado o mundo do cibercrime: golpistas tentam se aproveitar da ânsia pela nova imunização para roubar credenciais de vítimas e aplicar fraudes pela internet.

Desde segunda-feira, a equipe de investigação e análise da Kaspersky tem encontrado sites fraudulentos que tentam simular um pré-cadastro para a vacinação. A tática é bastante conhecida: o phishing. Segundo Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky, esses domínios fazem parte de campanhas que já estão sendo articuladas, e que começarão a disseminar mensagens solicitando a inscrição por meio desses sites.

"Sempre que há um tema crítico e que desperta atenção, o cibercrime rapidamente busca alternativas para tirar proveito deles. Vimos isso no começo da pandemia, quando houve uma corrida por máscaras e álcool-gel, e vemos o mesmo sendo feito no momento das vacinas", conta o especialista .

Um dos sites identificados pede que o usuário inscreva o e-mail e a senha para iniciar o seu cadastro. Com essas informações, os hackers conseguem acessar a conta da vítima e aplicar uma série de outros golpes em cima dela. "Como muitas pessoas costumam utilizar a mesma senha para várias contas, os criminosos podem invadir uma série de outros serviços por meio desses dados", alerta Assolini .

Para evitar cair em golpes como esse e ter os seus dados roubados, o analista da Kaspersky recomenda que as pessoas se informem em canais oficiais das secretarias de saúde do município ou estado sobre como estão sendo feitas as campanhas da vacina na sua localidade:

"Alguns estados, como São Paulo, criaram páginas de cadastro para a vacina, que no momento, estão sendo aplicadas apenas com profissionais da saúde e grupos de risco. Ainda assim, desconfie de qualquer endereço que seja enviado por meio de correntes em redes sociais. Por precaução, procure as páginas dos órgãos oficiais e se informe corretamente por lá", completa Assolini.

SAIBA MAIS


Brasileiros entre as maiores vítimas de phishing

De acordo com o relatório recente publicado pela Kaspersky, os brasileiros estão entre os principais alvos de phishing no mundo. Cerca de um a cada nove usuários de internet do País (11,6%) acessaram, de julho a setembro passados, ao menos um link que direcionava a páginas maliciosas. O índice está bem acima da média mundial - 7,67%, no mesmo período - e coloca o Brasil como um dos países com maior proporção de usuários atacados.

Para se proteger dos ataques de phishing, os especialistas da Kaspersky aconselham que os usuários tomem algumas precauções:

  • Sempre verifiquem o endereço do site para onde foi redirecionado, endereço do link e o e-mail do remetente para garantir que são genuínos antes de clicar neles, além de verificar se o nome do link na mensagem não aponta para outro hyperlink;
  • Não cliquem em links contidos em e-mails, SMS, mensagens instantâneas ou postagens em mídias sociais vindos de pessoas ou organizações desconhecidos, que têm endereços suspeitos ou estranhos. Verifiquem ainda se são legítimos e, mesmo que comecem com ‘ https‘, é necessário duvidar, pois muitos sites falsos podem exibir o cadeado de segurança;
  • Se não tiver certeza de que o site da empresa é real e seguro, não insira informações pessoais;
  • Analisem cuidadosamente as URLs das páginas com formulários que solicitam dados confidenciais. Se o endereço consiste em um conjunto de caracteres sem sentido ou a URL parece suspeita, não finalizar o pagamento;
  • Usem uma solução de segurança comprovada com tecnologias antiphishing baseadas em comportamento. Ela permitirá a identificação até dos golpes de phishing mais recentes, que ainda não foram incluídos nos bancos de dados antiphishing.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte