O País | Pesquisa

Cuidado com imunidade foi o hábito que mais cresceu durante a pandemia

Levantamento do Ibope mostrou que 23% dos brasileiros estão mais preocupados em manter sua imunidade alta
05/01/2021 às 14h22
Cuidado com imunidade foi o hábito que mais cresceu durante a pandemiaVitaminas garantiram a imunidade alta (Divulgação)

São Paulo - O advento da pandemia trouxe a todos uma nova realidade, que tem despertado mudanças nos hábitos e comportamentos dos consumidores, mostrando uma preocupação cada vez maior com a saúde, principalmente no que se refere à imunidade. Segundo uma pesquisa realizada pelo IBOPE, encomendada pela Bayer, que traçou um comparativo de antes da pandemia com o momento atual, 23% dos entrevistados - entre eles homens e mulheres com idade a partir de 16 anos -, passaram a dar mais atenção aos cuidados com sua imunidade.

O estudo entrevistou 2 mil pessoas para compreender como a população brasileira aborda o tema do autocuidado em suas vidas, e quais ações relacionadas à saúde são praticadas de maneira geral. Com relação aos tipos de cuidados que as pessoas adotam para manter um bom funcionamento do sistema imunológico, 62% dos entrevistados disseram que tentam dormir mais de 6 horas por noite, 54% buscam ter uma alimentação saudável e balanceada, 42% praticam atividades para reduzir o stress e 20% consomem suplementos vitamínicos com frequência. Esse último cuidado, inclusive, foi a categoria de produto com maior demanda durante o período da pandemia: 14% dos participantes afirmaram ter dado início ou ter intensificado o seu consumo de suplementos vitamínicos.

Imunidade em dia o ano todo
Manter a imunidadade em dia é importante para a prevenção de diversas doenças, como aquelas causadas por vírus. E diversos tipos de vírus podem ser causas de doenças respiratórias. Manter o sistema imune funcionante depende de vários fatores, muitos deles de acesso a todos. Os cuidados gerais com a saúde como horas adequadas de sono, prática regular de exercícios físicos e boa alimentação são exemplos de cuidados que ajudam a manter o sistema imune adequado. Com relação a alimentação os suplementos vitamínicos podem auxiliar a imunidade, repondo os micronutrientes que fazem parte do mecanismo da imunidade.

E isso vale para o ano todo. "Mesmo após o fim dos meses mais frios, é importante manter os cuidados com a imunidade durante as outras estações do ano. Não só as mudanças climáticas, mas fatores como o estresse físico e mental, poluição, falta de exercícios físicos regulares e alimentação desequilibrada podem afetar a imunidade e fragilizar o organismo", Marcella Garcez, médica notróloga, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

Para evitar que isso aconteça, um dos pilares para o fortalecemento das nossas barreiras de defesa é manter uma alimentação equilibrada. De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunologia, para que as células do sistema imunológico possam exercer o seu papel corretamente, é necessário que sejam ingeridos nutrientes adequados e em quantidades suficientes.

Especialistas reforçam que, para deixar as defesas prontas para proteger seu corpo, três nutrientes são fundamentais: a Vitamina C, a Vitamina D e o Zinco.

Vitamina C: tem inúmeras funções fisiológicas descritas como atividade antioxidante, modulação do sistema imunológico, síntese de colágeno, síntese de proteínas, neurotransmissores e hormônios, que reduzem a prevalência de doenças metabólicas e degenerativas. A vitamina C também pode auxiliar na prevenção de doenças pulmonares e oftalmológicas.

"A concentração estimada de vitamina C nos alimentos é afetada por diversos fatores: estações do ano, transporte, estágio de maturação, tempo de armazenamento. Produtos animais possuem quantidades irrisórias ou não contém e grãos, tipo leguminosas e sementes, apresentam apenas traços de ácido ascórbico (nome científico da vitamina C). As fontes mais comuns são vegetais, frutas e legumes, como: frutas cítricas, acerola, morango, caju, goiaba, pimentão, brócolis, couve, tomate, salsinha entre outros", recomenda Marcella Garcez.

Vitamina D: importante para a saúde do sistema músculo esquelético, manutenção do metabolismo ósseo e prevenção da osteoporose, regula o fornecimento de cálcio, fósforo e magnésio ao organismo, atua na absorção intestinal e função renal. "Os sintomas de sua deficiência incluem fraqueza muscular e fragilidade óssea. Suas consequências a longo prazo podem ser graves, pois a falta de cálcio prejudica a formação dos ossos em crianças e o metabolismo dos mesmos em adultos, podendo levar a osteopenia e osteoporose", alerta a médica nutróloga. A vitamina D também é descrita em vários estudos como importante ativador do sistema imunológico, com ações mediadas por receptores em importantes células de defesa, que também são encontrados em células da pele, nos neurônios e no sistema endócrino.

A vitamina D é um grupo de compostos lipossolúveis essenciais para manter o equilíbrio mineral e imune no corpo, que pode ser obtido por meio da exposição da pele aos raios UV e também por meio da alimentação, com fontes como peixes gordurosos, gema de ovos, laticínios gordurosos, cogumelos e alimentos enriquecidos³.

Zinco: esse mineral desempenha um papel importante na saúde geral do organismo, pois é fundamental para a manutenção de diversas funções endócrinas, metabólicas, renais, neurológicas, responsável por vários mecanismos que modulam o bom funcionamento do sistema imune e ainda ação antioxidante, reduzindo a quantidade de radicais livres no organismo. O nutriente pode ser encontrado em alimentos como ostras, carnes bovinas, peixes, aves, leite, queijos, frutos do mar, cereais de grãos integrais, feijões, nozes, amêndoas, castanhas e sementes, entre outros.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte