Vida | Telemedicina

Cinco dicas úteis para ajudar a família na consulta pediátrica por videochamada

Consultas online podem ajudar em situações mais comuns, como febre, diarreia, lesões na pele e dor de garganta, em casos de rotina e triagem
17/10/2020 às 10h05
Cinco dicas úteis para ajudar a família na consulta pediátrica por videochamadaHá formas de otimizar a consulta online (Freepik)

SÃO PAULO- Quem nunca ficou aflito com o filho doente em casa e não sabia se precisava correr para o hospital? Teve dúvidas se dava algum medicamento ou não para a criança? Essas são situações recorrentes na vida dos pais que a telemedicina pode ajudar. As consultas online chegaram para levar praticidade, agilidade e humanização no atendimento pediátrico. Mas, a partir dessa nova possibilidade, surgem outras dúvidas, entre elas, como e em quais momentos fazer uma videochamada.

Para otimizar a experiência da consulta online com o pediatra, reunimos cinco principais dicas:

1. Criança presente na consulta: a primeira orientação é que a criança deve estar presente. "Ela precisa ser atendida com o responsável, eu preciso vê-la, olhar seu comportamento, avaliá-la dependendo da situação. Não adianta chegar na teleconsulta e simplesmente falar que o filho está com febre. A presença da criança é fundamental para um diagnóstico mais preciso", orienta a médica e diretora de pediatria da Docpass, Mônica Rodrigues.

2. Todas as informações em mãos: em segundo lugar, é necessário estar com os documentos e informações, como carteira de vacinação, termômetro, medicações em uso, além do peso atual para que o médico possa receitar algum medicamento, caso necessário. Organização, neste momento, pode fazer com que as consultam sejam mais proveitosas e a situação da criança, resolvida de forma mais rápida.

3. Mandar para o médico os exames recentes da criança: a telemedicina, por meio da tecnologia, proporciona a facilidade de anexar exames para enviar ao médico, para análise mesmo à distância. Então, caso queira mostrar resultados dos exames do filho para o pediatra avaliar, ou então para um laudo e até uma segunda opinião do especialista em casos em que estiver com dúvidas, pode fazer isso antes de iniciar a consulta, para agilizar o atendimento.

4. Ambiente tranquilo e iluminado dentro de casa: a quarta dica é, se possível, os pais estarem em um local mais tranquilo dentro de casa, sem barulho e bem iluminado, para facilitar a conversa com o médico, evitar distração da criança e ajudá-lo na avaliação mais precisa. "Se a luz estiver boa e os pais aproximarem a câmera da criança, eu vou conseguir ver melhor a garganta dela, por exemplo. Ou até mesmo identificar uma alergia na pele ou reparar em coisas que os pais não perceberam", explica a médica.

5. Consultas com elementos lúdicas e brincadeiras: por último, um dos grandes desafios costuma ser prender a atenção da criança por muito tempo diante da tela. Dessa forma, a dica aqui é para os médicos: procurem incluir algum elemento lúdico nas consultas, como um estetoscópio de brinquedo, um livrinho colorido para mostrar durante a sessão ou até um jaleco de personagens infantis para contribuir com uma consulta a distância mais humanizada e divertida. Os pais também podem ajudar no processo, fazendo interações durante a consulta.

De acordo com Mônica Rodrigues, a pediatria é uma das especialidades que mais entendem de teleconsulta, pois, desde antes da telemedicina como conhecemos hoje, eles já prestavam orientação a distância, por telefone. "A ideia não é substituir a consulta presencial, pois há situações em que o exame físico é necessário. Eu vejo a telemedicina como um complemento fundamental, para ajudar na humanização, com mais tempo de escuta, além da praticidade e acesso a uma consulta de qualidade. Acredito que facilitou muito a vida das pessoas", reforça.

Quando usar a telemedicina com crianças

A teleconsulta com o pediatra pode ser utilizada em casos mais comuns, como febre, dor na garganta, sintomas de resfriado e gripe. No atendimento, é possível o médico fazer um diagnóstico ou receitar um medicamento, se for necessário. "Além disso, a telemedicina é um importante meio de triagem, caso você esteja com dúvidas se leva o filho ao pronto-socorro ou não. Isso faz parte do nosso atendimento, assim como orientar para os sinais de alerta, o que precisa ser observado na criança para o encaminhamento ao hospital", explica a médica.

Consultas de rotina também são um grande exemplo de como a telemedicina ajuda no dia a dia dos pais. Os pediatras, por meio da videochamada, orientam sobre aleitamento materno, desenvolvimento motor e cognitivo, desfralde, distúrbios emocionais, vacinas, introdução alimentar, entre outros. É uma forma de evitar idas a hospitais e clínicas, quando não há necessidade de exames físicos na criança.

"As teleconsultas também possibilitam o acesso a médicos especializados da área de pediatria. Podem ser usadas no acompanhamento de doenças complexas e crônicas, como asma, alergias de pele, obesidade e até epilepsia. Você pode ter acesso a um atendimento especializado, se mora longe dos grandes centros, onde é mais difícil de conseguir especialistas. As consultas online chegam para quebrar essa barreira e levar mais saúde às pessoas", complementa a médica e diretora de pediatria da Docpass, Mônica Rodrigues.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte