Cidades | Em queda

Maranhão tem redução do total de casos de dengue e chikungunya

Dados mostram que o estado teve uma queda em novos casos de arboviroses; até o momento, registrou 3.413 casos de dengue
Bárbara Lauria / O Estado30/09/2020
Maranhão tem redução do total de  casos de dengue e chikungunyaAedes Aegypti é o mosquito transmissor da dengue e da febre chikungunya e pode ser evitado (Divulgação)

SÃO LUÍS - Pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) mostrou que o número de casos de dengue e chikungunya tem diminuído no Maranhão. De acordo com o InfoDengue, de 28 de setembro de 2019 a 26 de setembro deste ano, foram registrados 3.413 casos de dengue e 251 de chikungunya. Contudo, apesar do registro, desde o dia 16 de fevereiro, pico dos casos de dengue nesse período, o número de novos casos começou a diminuir. Na 36ª semana epidemiológica foram registrados apenas 6 novos casos de dengue e nenhum de chikungunya.

De acordo com os dados, no caso da dengue no Marahão, o pico foi registrado na oitava semana epidemiológica com 277 novos casos. Após esse registro, o número de novos infectados começou a cair, até a 27ª semana, quando teve uma segunda alta, contabilizando 55 novos casos. O índice retornou ade minuir até o último sábado (26).

Já no caso da chikungunya, os dados apresentam que os números permaneceram baixos neste ano, tendo como pico de infecções os meses de março e abril, com o registro de 15 e 13 novos infectados, respectivamente. Na última semana epidemiológica analisada não foram registrados novos casos no estado.

Outros dados
Outro dado relevante do InfoDengue é em relação ao gênero que é mais infectado. Segundo a pesquisa, entre 28 de setembro de 2019 à 26 de setembro de 2020, 1801 mulheres foram infectadas pela dengue no estado, enquanto 1612 homens ficaram doentes. Ou seja, 51,76% dos casos de dengue no Maranhão aconteceram em mulheres. Já a chikungunya contaminou 136 mulheres e 115 homens, o que resultou em 54% dos infectados sendo do sexo feminino.

Em relação à faixa etária, a maioria dos casos de dengue aconteceu em pessoas com idade entre 10 e 39 anos. Foram registrados, no estado, 648 casos entre 10 e 19 anos (19%); 654 entre 20 e 29 anos (19,6%); e 639 casos entre 30 e 49 anos (18,7%).

Em relação à chikungunya, o maior número de casos é entre zero e 4 anos, e 10 e 19 anos. Foram registrados, entre 28 de setembro de 2019 a 26 de setembro de 2020, 45 casos de crianças com até 10 anos (18%), e 53% casos entre jovens de 10 a 19 anos (21,1%).

SAIBA MAIS

Aedes Aegypti
O Aedes aegypti é o nome científico de um mosquito que transmite doenças chamadas de arboviroses, como a dengue, febre amarela urbana, além da zika e da chikungunya. Possui uma característica que o diferencia dos demais mosquitos, que é a presença de listras brancas no tronco, cabeça e pernas.

O ciclo de vida do mosquito Aedes aegypti compreende quatro fases: ovo, larva, pupa e adulto. Os ovos são depositados em condições adequadas, ou seja, em lugares quentes e úmidos, preferencialmente depositados em lugares próximos a linha d’água.

O macho alimenta-se de seivas de plantas. A fêmea, no entanto, necessita de sangue humano para o amadurecimento dos ovos, que são depositados separadamente nas paredes internas dos objetos, próximos a superfícies de água, local que lhes oferece melhores condições de sobrevivência.

Prevenção
A principal prevenção contra o mosquito Aedes Aegypti é evitar o acúmulo de água parada. De acordo com o Ministério da Saúde, as principais medidas são:

  • Manter bem tampado tonéis, caixas e barris de água;
  • Lavar semanalmente com água e sabão tanques utilizados para armazenar água;
  • Manter caixas d’agua bem fechadas;
  • Remover galhos e folhas de calhas;
  • Não deixar água acumulada sobre a laje;
  • Encher pratinhos de vasos com areia até a borda ou lavá-los uma vez por semana;
  • Trocar água dos vasos e plantas aquáticas uma vez por semana;
  • Colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas;
  • Fechar bem os sacos de lixo e não deixar ao alcance de animais;
  • Manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo;
  • Acondicionar pneus em locais cobertos;
  • Fazer sempre manutenção de piscinas;
  • Tampar ralos;
  • Colocar areia nos cacos de vidro de muros ou cimento;
  • Não deixar água acumulada em folhas secas e tampinhas de garrafas;
  • Vasos sanitários externos devem ser tampados e verificados semanalmente;
  • Limpar sempre a bandeja do ar condicionado;
  • Lonas para cobrir materiais de construção devem estar sempre bem esticadas para não acumular água;
  • Catar sacos plásticos e lixo do quintal.

Dengue
Dengue é uma doença febril grave causada por um arbovírus, que são vírus transmitidos por picadas de insetos, especialmente os mosquitos. Existem quatro tipos de vírus de dengue, que são os sorotipos 1, 2, 3 e 4. Cada pessoa pode ter os 4 sorotipos, mas a infecção por um gera imunidade permanente para ele. O transmissor (vetor) é o mosquito Aedes aegypti, que precisa de água parada para se proliferar. O período do ano com maior transmissão são os meses mais chuvosos de cada região, mas é importante manter a higiene e evitar água parada todos os dias, porque os ovos do mosquito podem sobreviver por um ano até encontrar as melhores condições para se desenvolver. Todas as faixas etárias são igualmente suscetíveis, mas os idosos têm maior risco de desenvolver dengue grave e outras complicações que podem levar à morte.

O risco de gravidade e morte aumenta quando a pessoa tem alguma doença crônica, como diabetes e hipertensão, mesmo tratada.

Seus sintomas são: febre alta > 38.5ºC; dores musculares intensas; dor ao movimentar os olhos; mal-estar; falta de apetite; dor de cabeça; manchas vermelhas no corpo.

Chikungunya
Semelhante a Dengue, A infecção por Chikungunya começa com febre, dor de cabeça, mal-estar, dores pelo corpo e muita dor nas juntas (joelhos, cotovelos, tornozelos, etc), em geral, dos dois lados, podendo também apresentar, em alguns casos, manchas vermelhas ou bolhas pelo corpo. O quadro agudo dura até 15 dias e cura espontaneamente.

Algumas pessoas podem desenvolver um quadro pós-agudo e crônico com dores nas juntas que duram meses ou anos.

Seus sintomas são: febre; dores intensas nas juntas, em geral bilaterais (joelho esquerdo e direito, pulso direito e esquerdo, etc); pele e olhos avermelhados; dores pelo corpo; dor de cabeça; náuseas e vômitos.

Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas. Normalmente, os sintomas aparecem de dois a 12 dias da picada do mosquito, período conhecido como incubação.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte