Economia | Mercado de ações

Especialista analisa cenário de investimentos em bolsa de valores no MA

Buscando aproveitar a retomada econômica, empresas vem buscando financiamentos para reativar suas operações e projetos
29/09/2020 às 17h04
Especialista analisa cenário de investimentos em bolsa de valores no MARede de supermercados maranhense está prestes a estrear no mercado de ações (Divulgação)

As empresas dispõem de várias alternativas para levantar recursos, mas um caminho popular, principalmente no período em que vivemos, é a abertura de capital e distribuição de suas ações na Bolsa de Valores, os famosos IPOs – sigla em inglês para Initial Public Offering, ou Oferta Pública Inicial. No Maranhão, a maior rede de supermercados da região está seguindo a estratégia econômica e, em breve irá estrear no mercado de ações, como explica o assessor de investimentos Gustavo Matos, especialista em renda variável da Alphaways Investments.

O primeiro passo para que uma empresa alcance a mais ampla gama de investidores é passar de “limitada” (Ltda), que geralmente possui poucos sócios, para “sociedade anônima” (S/A), pois, desta forma, possibilita que vários investidores ingressem na sociedade, como é o caso de empresas que dispõem de ações para serem vendidas na bolsa.

O processo começa com a efetivação de um registro formal de companhia aberta na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão regulador do mercado acionário, seguido de uma solicitação de permissão para ser listada na Bolsa de Valores. Após estas etapas, o lançamento do prospecto de oferta é feito por meio de um documento que contém todos os detalhes sobre a companhia e as ações distribuídas. Há uma auditoria para averiguar dados como o quadro administrativo, o plano de negócios e a situação de mercado, além de qualquer informação que seja importante para os investidores tomarem conhecimento.

IPOs estão em ascensão

Buscando aproveitar a retomada econômica, empresas brasileiras vem buscando financiamentos para reativar suas operações e projetos adiados devido ao “lockdown” e ao fechamento do mercado durante a pandemia, que afetou o fluxo de caixa dessas empresas de forma significativa.

Somado a isto, o cenário da queda estrutural da taxa básica de juros no Brasil fez com que os investidores se tornassem ávidos por retorno, e com tal retorno vem a perspectiva de risco proporcional a ele, como destacou Gustavo Matos, assessor de investimentos da Alphaways Investments, especializado em renda variável.

“A menor taxa de juros da história do país, juntamente com os pacotes de reformas sendo debatidos em Brasília, fez com que houvesse um deslocamento de investimentos e concentração para a renda variável. Esta situação vai de encontro à situação vivida por inúmeras empresas, que, com os efeitos da crise econômica mundial provocada pelo covid-19, estão buscando cada vez mais recursos com o objetivo de se posicionar melhor estratégica e competitivamente para a retomada do consumo”, pontuou.

Uma das principais alternativas adotadas por estas companhias é a disponibilização de suas ações a venda na bolsa de valores por meio de um IPO. No Maranhão, uma das empresas que pretende se beneficiar com a retomada econômica e o cenário favorável das ofertas públicas é uma rede de supermercados fundada nos anos 80 na cidade de Balsas e que, até o momento, opera em 54 cidades no Nordeste.

Expectativa

Conforme já anunciado, o grupo pretende captar cerca de R$ 4,5 bilhões na bolsa por meio da abertura de seu capital. Para a rede, o cenário é altamente positivo pois, de acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), a rede é, atualmente, a quarta maior empresa do varejo alimentar no Brasil e segue em constante evolução.

Para se ter ideia, nos primeiros seis meses de 2020 a receita da rede fechou em R$ 5,1 bilhões, um crescimento de 27% na comparação anual, com lucro líquido de R$ 297 milhões e alta de 78%, como consta em seu prospecto. “Além da chance de os investidores adquirirem ações da empresa na bolsa de valores, o IPO desta empresa será interessante ao mercado uma vez que será como um índice de referência para o desenvolvimento econômico regional, visto que exerce papel de ser o mais importante player no comércio da região onde atua, com maior marketshare e poder de distribuição”, explicou Matos sobre o evento que, atualmente, encontra-se em análise pela Comissão de Valores Mobiliários.

Ainda assim, um IPO não se restringe, apenas, ao país de origem de determinado negócio. No Brasil, por exemplo, há uma série de empresas que optam por abertura de capital no exterior, como o caso da XP Inc, que teve sua abertura de capital na Nasdaq em 11 de dezembro de 2019, sendo a segunda maior oferta já realizada por uma empresa brasileira e a nona maior entre as principais bolsas ao redor do mundo. Diante desta possibilidade, a chegada de uma maranhense na Bolsa de Valores representa um importante estimulo à economia local e poderá incentivar outras empresas a seguirem o mesmo caminho, colocando o estado na vitrine mundial do mercado de ações.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte