Alternativo | Documentário

Sidney Magal revista sua trajetória em documentário

Filme está na competição Oficial do 48o Festival de Gramado e faz um paralelo entre o artista Sidney Magal e a sua vida como o marido e pai de família, Sidney Magalhães
10/09/2020

SÃO PAULO- Com estreia nacional na Mostra Competitiva do 48o Festival de Gramado, “Me chama que eu vou”, de Joana Marini, e produzido pela Mar Filmes, é um documentário repleto de músicas, narrado em primeira pessoa sobre Sidney Magal – nascido Sidney Magalhães –, e que resgata sua trajetória desde a infância até o presente, repassando os seus mais de 50 anos de carreira e mostrando o homem por trás do artista.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

Assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte