Geral | Fake news

É falso que aparelhos de medição causam danos ao cérebro

Aparelho utilizado para medir a febre usa luz infravermelha para captar ondas de calor do corpo, no entanto, essa aferição é superficial
09/09/2020 às 15h20
É falso que aparelhos de medição causam danos ao cérebroAferição com a luz infravermelha é superficial e não atinge glândulas (Divulgação)

São Paulo - Em tempos de pandemia, normalizou-se o uso de aparelhos infravermelhos em estabelecimentos comerciais, como forma de medir a temperatura das pessoas e reduzir as chances de contaminação. Essa é apenas uma das medidas para controlar os casos de Covid-19. No entanto, a medição tem levantado polêmica, devido a mais uma entre as inúmeras fake news relacionadas à Covid-19 que circulam pelas redes sociais.

De acordo com Joel Teixeira, neurologista do Hospital CEMA, é falso que a medição por infravermelho cause danos ao cérebro. Ainda assim, muitas pessoas estão acreditando e se recusando a passar por essas medições, inclusive em hospitais e clínicas, colocando em risco não só a própria saúde, mas a saúde dos demais.


O neurologista explica que o aparelho utilizado para medir a febre usa luz infravermelha para captar ondas de calor do corpo. Esse mecanismo identifica mudanças de temperatura. No entanto, essa aferição é superficial. A glândula pineal - que seria prejudicada, segundo essa fake news - é protegida por ossos e tecidos, fica em uma região profunda e não consegue ser atingida por esses aparelhos.

O médico ressalta que esses medidores são usados por médicos há muito tempo e têm aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). São, portanto, seguros.

Verdadeiro ou falso?
A melhor maneira de identificar se uma mensagem de redes sociais é verdadeira ou falsa é consultar os serviços de jornalismo investigativo da grande imprensa. Jornais como O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo/ O Globo/ G1 criaram seus próprios sites de verificação e podem ser consultados livremente. Há ainda vários outros canais na internet que se dispõem a fazer essa análise. Basta procurar no Google.

Os especialistas em redes sociais orientam para pequenos sinais que indicam que a informação é falsa. Veja aqui:

  • Desconfie sempre de informações que circulam sem indicar a fonte. Se a autoria for desconhecida ou apresentar "especialistas" sem nome, é forte o indício de manipulação.
  • Outra forma de reconhecer a veracidade do post é observar as palavras de ordem que ele contém. Se vem acompanhado da palavra "URGENTE", ou "Espalhe para o máximo de pessoas antes que seja censurado", ou ainda "Isso você não vai ver na mídia", a chance de ser fake é de 99%!
  • Erros de português são outro sinal de que a notícia pode ser falsa.
  • Em caso de dúvida, pesquise a informação em veículos com credibilidade.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte