Cidades | Setembro amarelo

Atendimento psicológico online é disponibilizado para professores sindicalizados

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde - OMS, no Brasil existem cerca de 11 milhões de pessoas com depressão, quase 6% da população
02/09/2020 às 15h47
Atendimento psicológico online é disponibilizado para professores sindicalizadosProfessores sindicalizados podem buscar ajuda psicológica online (Divulgação)

São Luís - Setembro é tempo de cuidar da saúde mental, é o mês mundial de prevenção do suicídio, chamado de Setembro Amarelo. A direção do Sindeducação, preocupada com o bem-estar dos professores sindicalizados, disponibiliza atendimento psicológico, durante a pandemia, de forma online. Para desfrutar do serviço, implementado em Agosto de 2018, é necessário fazer agendamento pelos telefones (98) 99204-9066 (ligação); (98) 98802-0841 (whatsapp) ou ainda por e-mail administracao@sindeducacao.org

O Sindeducação retomou o atendimento psicológico, de forma online, no último mês de junho, com o objetivo de oportunizar os professores que estão abalados em razão de perdas na família, de algum parente ou amigo que está enfermo, ou ainda, aquele educador ou seu dependente que está com dificuldade para atravessar o período do isolamento social, apresentando sintomas de abalo da saúde mental.

O atendimento é realizado pela psicóloga Deborah do Santos, parceira do Sindeducação desde 2018, e que já vivencia e acompanha diversos professores que utilizam esse serviço de saúde por meio da entidade.

De acordo com a presidente em Exercício do Sindeducação, professora Izabel Cristina Dias, a iniciativa visa amparar as famílias e minimizar os traumas sofridos por elas, já que a pandemia trouxe, além do fator surpresa, momentos difíceis de serem enfrentados. “Os professores também enfrentam a ansiedade e preocupação em torno da retomada das aulas, a forma como esse retorno tem sido trabalhado, dentre outras preocupações”, avalia a sindicalista.

Retomada
Na Análise das Diretrizes Unilaterais da Secretaria de Educação, lido pelo promotor de Justiça Paulo Avelar, as pedagogas ministeriais reconhecem a grande dificuldade que será imposta aos professores e estudantes para uma retomada híbrida do calendário, visto a ausência de habilidades desenvolvidas para esse novo formato, e identifica a inexistência de uma política de acolhimento socioemocional aos professores para essa retomada.

No Parecer, o MP também pontua a falta de infraestrutura das escolas para qualquer retomada presencial, problema histórico que vem sendo agravado nos últimos anos, diante um quadro de apenas 14 escolas reformadas, de um total de 266.

“A pandemia veio aflorar, ainda mais as preocupações da categoria no que diz respeito às incertezas do exercício da profissão, com a adoção de Aventuras Pedagógicas pela gestão educacional da Prefeitura de São Luís, assédio moral, atraso no pagamento dos direitos estatutários, defasagem salarial, dentre outros fatores que abalam a saúde emocional dos educadores”, aponta a professora Nathália Karoline, dirigente executiva da entidade.

Apoio psicológico
Desde que foi implantado, o setor psicológico do Sindeducação fez cerca de 100 sessões de atendimento com professores e dependentes. Nesse período, os casos mais recorrentes foram de professores com quadro de depressão, transtornos de ansiedade e síndrome de Burnout.

A síndrome de Burnout ou síndrome do Esgotamento Profissional é um distúrbio emocional acompanhado de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico, resultante de situações de trabalho desgastantes, que demandam muita competitividade ou responsabilidade.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde – OMS, no Brasil existem cerca de 11 milhões de pessoas com depressão, quase 6% da população. Mas é preciso diferenciar tristeza passageira de depressão. A depressão precisa ser diagnosticada por um profissional, a princípio, um psicólogo, que ao diagnosticar como um quadro grave de depressão, encaminhará o paciente para um médico psiquiatra.

SAIBA MAIS

SETEMBRO AMARELO

Setembro é o mês mundial de prevenção do suicídio, chamado também de Setembro Amarelo. O assunto que já foi um tabu muito maior, ainda enfrenta grandes dificuldades na identificação de sinais, oferta e busca por ajuda, justamente pelos preconceitos e falta de informação.

Segundo a OMS, nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. No Brasil, 32 pessoas se matam por dia. No mundo, há uma morte do tipo a cada 40 segundos. Por isso, o movimento é feito para mostrar que a prevenção é fundamental para reverter a situação. Para a campanha Setembro Amarelo, a primeira medida preventiva é a educação, para perder o medo de se falar sobre o assunto, esclarecendo, conscientizando e estimulando o diálogo.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte