Geral | Novos leitos

SUS cria 22,8 mil leitos de internação, mas redução futura preocupa CFM

Trata-se do primeiro ano de expansão da rede de atendimento, desde 2011; esses espaços são usados por pacientes que, embora precisem ficar por mais de 24 horas em um hospital, ainda não exigem cuidados de UTI
Com informações do Estadão Conteúdo27/07/2020 às 09h40
SUS cria 22,8 mil leitos de internação, mas redução futura preocupa CFMDivulgação

Brasília - O SUS (Sistema Único de Saúde) criou 22,8 mil leitos de internação durante a pandemia da covid-19, alcançando um total de 317.070, segundo levantamento do CFM (Conselho Federal de Medicina). Esses espaços são usados por pacientes que, embora precisem ficar por mais de 24 horas em um hospital, ainda não exigem cuidados de UTI.

Trata-se do primeiro ano de expansão da rede de atendimento, desde 2011. No entanto, como o Ministério da Saúde tem feito o custeio provisório dos leitos, que são instalados em hospitais de campanha, por exemplo, a expectativa do conselho é de fechamento destes espaços no futuro.

De 2011 até janeiro deste ano, o SUS perdeu 41 mil leitos de internação. Apenas a região Sudeste desativou 25 mil leitos nesse período, o que representa 19% do total que havia na região Para Donizetti Giamberardino, 1.º vice-presidente do CFM, locais que já estavam desassistidos antes da pandemia devem tentar manter ativos os leitos criados nos últimos meses. "Seja com governo federal, estadual ou municipal financiando. Mas, principalmente, pela União, que tem mais recursos", disse.

Giamberardino propõe que os leitos temporários só sejam desativados quando os casos de coronavírus estiverem sob controle há pelo menos um mês. "A covid-19 ainda é desconhecida e não temos certeza sobre como será o seu comportamento", argumentou.

Segundo o levantamento, que usa dados do Ministério da Saúde até junho, os Estados de menor população tiveram maior salto porcentual de leitos neste ano. Em Roraima, por exemplo, a rede pública passou de 1.064 para 1.439 leitos, um aumento de 35%.

Em números absolutos, os Estados que mais habilitaram leitos de internação na pandemia foram São Paulo (5.354), sendo quase 1 800 novos apenas na capital, Pernambuco (2.697), e Minas Gerais (2.525). São Paulo é o epicentro da pandemia do novo coronavírus no País.

Em locais onde já há maior controle de casos da covid-19, hospitais de campanha estão sendo desativados, como Manaus, Fortaleza e a unidade do Pacaembu, em São Paulo.

Filas

O Conselho Federal de Medicina também observou que o Brasil apresenta longas filas para cirurgias eletivas, entre outras razões para a falta de leitos de internação. Levantamento de 2017 da entidade apontava que havia 904 mil operações represadas naquele ano, sendo que mais de 740 pedidos tinham sido feitos há mais de uma década.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte