O País | Novo normal

Como evitar que a pandemia cause traumas permanentes nos seus filhos

A neuropsicóloga Leninha Wagner traz conselhos para pais manterem a saúde mental dos filhos durante o isolamento social causado pela pandemia
15/07/2020 às 15h33
Como evitar que a pandemia cause traumas permanentes nos seus filhosConstruir boas lembranças durante o período é essencial para os filhos (Divulgação)

São Paulo - A formação da subjetividade e de toda a estrutura mental, se dá a partir da infância. Os pilares que dão base ao sustento da vida emocional são lançados nesse momento tão importante do ciclo vital. Na infância há necessidade de semear o projeto da segurança através da rotina; da responsabilidade através da disciplina; da curiosidade através do amparo e da criatividade através do modelo.

Com a emergência do novo coronavírus e a pandemia, todos nós precisamos nos adaptar a um novo normal, causado pelas mudanças repentinas com a introdução de novos hábitos e protocolos, a fim de prevenir o contágio, que restringiram nosso convívio social, nossas idas e vindas do trabalho e até mesmo a freqüência com que saímos de nossas casas.

Novo Normal
A neuropsicóloga Leninha Wagner ressalta que a pandemia trouxe novos desafios e também novas oportunidades para os pais e para os seus filhos: “A pandemia nos oportuniza um “momento” inovadores e inimaginável. Cabe a nós adultos maduros, pais, mães, avós, familiares nos apropriarmos desse momento com a intencionalidade de utilizar o tempo escasso a favor da construção das melhores memórias, pois é na infância que estruturamos nosso psiquismo e guardamos fatos nas camadas mais profundas do nosso inconsciente para o resto de nossas vidas adultas. Que lembranças seu filho terá desse momento único chamado pandemia? Que memórias ele guardará que o acompanhará em todas as outras fases de sua vida?”

A especialista também pondera que além da Covid-19, que adoece o corpo, o isolamento também tem feito mal a alma. “Estamos todos vivendo o imponderável da vida, sob a pressão de administrar o surpreendente novo mundo. Os dias corridos em home office, o distanciamento social, isolamento e até o confinamento. Para prevenir o contágio do corpo pelo Covid 19, protegendo a saúde física. Estamos todos adoecendo da alma; e da mesma forma produzindo sintomas físicos de depressão, ansiedade, estresse, fobias, etc.”, aponta.

Como proteger os seus filhos das sequelas da pandemia?
Leninha Wagner ressalta qual o melhor caminho para blindar os seus filhos dos efeitos adversos da pandemia: “Para isso, é preciso transformar o tempo dedicado à convivência familiar, criando conexões emocionais para além desta fase, que atravesse o tempo e nos habite quando tudo isto for História, quando passar a ser contada nos livros; e nossos filhos contarem aos deles, o que estavam fazendo nesse momento histórico e comovente."

Além disso, a neuropsicóloga aconselha a não descuidar da rotina, das tarefas, do trabalho, da disciplina, da educação e da difícil de tarefa de homeschooling neste período: "Todas estas são obrigações intransferíveis, que cabe aos pais realizarem em parceria pai e mãe.”

No entanto, a especialista salienta que o mais importante e o que se deve reter deste período são as memórias afetivas. “São elas que nos salvarão de nós mesmos, quando o eco de tempo já passado nos revisitar num futuro próximo. Oferte aos seus maiores bens, seus filhos, o que de melhor puder oferecer, amor. Isso lhes trará saúde física e mental, pela segurança de estar no lugar certo com as pessoas certas, vivendo sob a proteção de um lar. Construa na intimidade e na privacidade, momentos que só vocês poderão relembrar, pois foram inéditos, apenas vocês experienciaram. O Amor em tempo de pandemia, será nosso antídoto contra as sequelas deste momento.”

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte