Vida | Tecnologia

Drones podem ajudar a medir a temperatura de pedestres e evitar aglomerações, dizem especialistas

Aparelhos vêm sendo usados na Europa para realizar entregas de medicamentos em caráter experimental, afirma Antônio Pedro Timoszczuk, membro da maior organização técnica-profissional do mundo dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade
24/06/2020
Drones podem ajudar a medir a temperatura de pedestres e evitar aglomerações, dizem especialistasDrones estão sendo usados em pesquisas (Divulgação)

SÃO PAULO-Localizando aglomerações de pessoas e transmitindo mensagens por alto falantes que pedem dispersão ou identificando, com câmeras térmicas, pessoas com febre, drones vêm sendo usados por pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e essas imagens são enviadas para o Centro Integrado de Comando e Controle da Secretaria de Defesa Social. Esse trabalho, que acaba de ser adotado no Rio de Janeiro, pode ajudar outros estados brasileiros no enfrentamento da pandemia, afirma o Antônio Pedro Timoszczuk, membro da IEEE, a maior organização técnica-profissional do mundo dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade, e CEO da Guidengen.

O professor do Programa de Pós-Graduação em Informática Aplicada da Universidade de Fortaleza, Victor Hugo C. de Albuquerque, membro sênior do IEEE, afirma que a estratégia adotada em Recife e no Rio de Janeiro poderá ser utilizada no Ceará. "Se necessário, poderemos utilizar os veículos aéreos não tripulados para auxiliar na contenção e combate à Covid-19 como, por exemplo, transporte de equipamentos de proteção individual (EPI) hospitalares, remédios, desinfecção e sanitização de hospitais e ambientes com risco de contaminação pelo coronavírus", explica.

O transporte de medicamentos e vacinas já vem sendo testado na Europa neste momento. No Brasil, já existem plataformas de food delivery que têm feito testes para entregar pedidos utilizando essas aeronaves. Uma das possibilidades estudadas seria ligar uma central de produção da empresa a condomínios e residências, onde os moradores retirariam os alimentos em um droneport. "É importante observar também, que esses serviços devem atender a legislação de cada país no tocante ao tráfego aéreo e o Brasil já possui a regulamentação necessária para isso", explica Antônio Pedro Timoszczuk.

Nas áreas urbanas, os drones vêm sendo usados intensivamente no acompanhamento de operações em áreas de risco. "Na área da saúde, essas aeronaves foram utilizadas na localização de focos do mosquito Aedes Aegypti, causador da dengue, em terrenos baldios e imóveis fechados", enfatiza o membro do IEEE.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte