Covid-19

Dino requisita médicos para atuar em UPAs; formandos de medicina devem ser chamados

Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira, governador do Maranhão disse que busca junto as universidades profissionais de Medicina

Gilberto Léda/ Da editoria de Política

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h20
Flávio Dino já considera pedir ajuda as universidades para colação de grau antecipada
Flávio Dino já considera pedir ajuda as universidades para colação de grau antecipada (Médicos Dino)

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), anunciou hoje (27) em coletiva de imprensa, mais uma série de medidas no combate ao novo coronavírus no estado. Uma delas é um decreto requisitando profissionais médicos para reforçar o sistema de saúde na Ilha de São Luís e em Imperatriz, onde está concentrada a maioria dos casos de infecção pela Covid-19.

Por meio da requisição, o Estado pode determinar que profissionais atuarão em quais unidades, em virtude da pandemia, com posterior remuneração.
No seu pronunciamento desta segunda-feira, o chefe do Executivo declarou que, inicialmente, abrirá um prazo de 48h para que 40 médicos se apresentem ao serviço. Se as vagas não forem preenchidas, ele determinará a requisição dos serviços dos demais.

"Nós estamos precisando alocar médicos para ajudar municípios no que se refere a suas unidades básicas de saúde, notadamente nas cidades em que há maior concentração de casos. Neste momento, a Ilha de São Luís e também a cidade de Imperatriz. Por esse decreto, nós estamos requisitando, inicialmente, 40 médicos. Vamos abrir uma espécie de inscrição por 48h, porque nós queremos que, não obstante seja um mecanismo de requisição do governador do Estado, as pessoas, no caso os profissionais médicos, possam se oferecer para fortalecerem (sic) esse trabalho no que se refere às unidades de saúde. Esses médicos irão atuar nas UPAS e nas unidades básicas de saúde, o decreto sairá hoje e eles terão 48h para se apresentarem (sic)”, informou o governador.

Dino também revelou que solicitará a instituições de ensino superior a antecipação da formatura de estudantes de medicina para que atuem na linha de frente da luta contra o novo vírus.

“Nós estamos hoje nos dirigindo ao Ceuma, à Ufma e à Uema, que mantêm cursos de Medicina, e também ao Ministério Público, para que estas instituições apliquem uma decisão do governo federal que permite as chamadas formaturas antecipadas. Nós temos estudantes que já cumpriram todos os requisitos, e que podem e devem receber o grau para que, o quanto antes, possam nos ajudar no enfrentamento do coronavírus”, destacou.

O comunista apontou, ainda, que estudantes do último ano de Medicina começarão a trabalhar hoje, como bolsistas, em unidades básicas de saúde, realizando consultas para fazer a triagem de pacientes.

“No que se refere ao reforço de equipes, também menciono o fato de nós termos começado hoje um trabalho com a participação de estudantes do último ano de Medicina, para que eles possam nos ajudar na atenção básica, na atenção primária, também nas triagens, identificando casos leves, casos graves. Eles já estão no ciclo de prática profissional, de acordo com as grades curriculares dos cursos de Medicina. Serão bolsistas do Governo do Estado, para que possam, também, ajudar nas unidades de Saúde”, completou.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.