Geral | Coronavírus

Postos de saúde adotam método que agiliza atendimento de casos suspeitos

Pacientes com suspeita de coronavírus serão atendidos rapidamente e encaminhados para salas de isolamento respiratório dentro das unidades, evitando o contágio local entre os pacientes
Com informações de assessoria20/03/2020 às 09h00

BRASÍLIA- Postos de saúde em regiões que já identificaram transmissão comunitária de coronavírus, passam a adotar nova metodologia de atendimento para pacientes que buscam as unidades com sintomas característicos do COVID-19, como febre junto com tosse, dor de garganta ou dificuldade respiratória. O Ministério da Saúde, em parceria com as entidades integrantes do Centro de Operações de Emergência (COE) do coronavírus, criou a ferramenta de triagem rápida (Fast Track), um protocolo de fluxo de atendimento para ser utilizado durante a emergência do coronavírus. O novo método irá acelerar o atendimento de casos suspeitos pelas equipes da Atenção Primária nos postos de saúde, impedindo a circulação e o contágio do vírus nesses ambientes.

A medida é voltada para pacientes com risco de infecção pelo novo coronavírus, priorizando pacientes do grupo de risco, como idosos e portadores de doenças crônicas e autoimunes, gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto). Assim que chegarem ao posto de saúde com os sintomas de gripe, os pacientes serão encaminhados para um ambiente de isolamento respiratório, evitando a circulação e contágio local de outros pacientes.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, fez um apelo às Equipe de Saúde da Família que atuam nos postos de saúde. “Equipes, assumam os seus usurários, sua área de abrangência. Monitorem as pessoas que vocês conhecem pelo nome. Organizem a Atenção Primária para que as pessoas não tenham que ir para UPAS”, enfatizou. De acordo com o ministro, sistemas que centralizaram o atendimento no hospital foram sistemas que colapsaram mais rápido. “As pessoas não devem procurar as portas de urgências e emergências, nem os hospitais. O local a ser procurado com sintomas gripais é o posto de saúde perto da sua casa”, completou.

Depois de receberem os primeiros cuidados dos profissionais de saúde, pacientes que apresentem sintomas graves ou que atendam ao grupo de risco, serão estabilizados e encaminhados para a rede hospitalar. Já os pacientes com sintomas leves, receberão os cuidados necessários e orientações de isolamento. Se os familiares desses pacientes desenvolverem sintomas, também deverão procurar atendimento médico. Mesmo em isolamento domiciliar, os pacientes são monitorados por equipes de saúde a cada 48h.

A organização do processo dentro das unidades ficará por conta dos gestores de saúde, que terão autonomia para determinar estratégias necessárias para cada serviço, de acordo com a realidade e necessidade locais.

Voluntários

Outra iniciativa para reforçar o atendimento é a convocação de alunos dos cursos de medicina, enfermagem, farmácia e fisioterapia para atuarem no enfrentamento ao coronavírus. “Estudantes dos cursos de saúde nos seus últimos anos serão recrutados, de forma voluntária, para comporem uma forma de trabalho supervisionada durante a epidemia do coronavírus”, explicou Mayra Pinheiro, secretária Nacional de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde.

A convocação de voluntários acadêmicos do internato do curso de medicina e do último ano dos cursos de enfermagem, fisioterapia e farmácia será para atuação sob supervisão prioritariamente na Atenção Primária à Saúde. Os participantes terão bônus de 10% na pontuação para participar de programas de residência (especialização) e a carga horária do voluntariado será utilizada para integralizar atividades nos estágios curriculares e Internato.

Além disso, haverá treinamento compulsório dos profissionais da saúde nos protocolos do Ministério da Saúde, em parceria com os Conselhos de classe, e o cadastramento e recrutamento da força de trabalho do SUS para o enfrentamento ao Coronavírus em todo o Brasil.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte