Alternativo | Cinema

Filme aborda heranças do colonialismo português no Brasil

Longa, uma fábula tropical de Felipe Bragança, estreia mundialmente no Festival de Roterdã
14/01/2020 às 11h35
Filme aborda heranças do colonialismo português no BrasilCena do filme "Um Animal Amarelo" (Divulgação)

São Paulo - Escrito e dirigido pelo carioca Felipe Bragança, “Um Animal Amarelo” faz sua estreia mundial no Festival de Roterdã. O longa está em competição na Big Screen Competition, seleção de 9 longas em estreia mundial descrita pelo site do festival como "uma coleção de filmes poderosos de diretores com carreiras de destaque internacional".
Em "Um Animal Amarelo", descrito como uma tragicômica e melancólica fábula tropical sobre as heranças do colonialismo português no Brasil de hoje, Bragança traz suas memórias e impressões de cidadão brasileiro e artista vivendo no conturbado Brasil atual “O filme é feito no encontro misterioso entre o pesadelo político-cultural que estamos vivendo e histórias muito pessoais e escondidas sobre as quais os brasileiros nem sempre gostam de falar”, ele explica.

Filmado no Brasil, Portugal e Moçambique, “Um Animal Amarelo" traz a inquietação do diretor sobre questões de identidade individual e coletiva. “Filmar nesses países não foi como filmar no estrangeiro exatamente, mas filmar ainda mais perto de mim, nesse continente cultural instalado nas minhas vísceras, como que me vendo pela nuca, reinstalado como cineasta brasileiro. E, claro, voltei desse mergulho cheio de dúvidas, com a sensação de que a própria idéia de Brasil como harmonia construída sobre as ruínas coloniais está hoje se desfazendo por completa, e se tornando uma ainda mais nova ruína. Com a sensação de que meu lugar criativo, eu, “branco brasileiro”, mestiço de tantos medos e fantasmas, deveria estar além do silêncio diante dos dilemas raciais e culturais que me ocupam o imaginário familiar e pessoal e suas origens ibéricas, ameríndias e africanas”, Bragança reflete.

O longa tem produção da carioca Marina Meliande e de Luis Urbano - produtor português de filmes de diretores como Miguel Gomes e Manoel de Oliveira - e traz no elenco o protagonismo do jovem Higor Campagnaro acompanhado de nomes como Herson Capri, Thiago Lacerda, Sophie Charlotte e Tainá Medina, além de um elenco luso-africano formado por Isabel Zuaa, Lucília Raimundo e Matamba Joaquim e dos portugueses Catarina Wallenstein, Diogo Dória e Adriano Luz. O lançamento está previsto para o 2º semestre de 2020 pela Olhar Distribuição.

Sobre o diretor
Felipe Bragança, 39, nascido no Rio de Janeiro. Foi criado entre o centro histórico da cidade e os subúrbios da Baixada Fluminense. Desde 2003, se dedica ao cinema, tendo dirigido filmes apresentados em festivais como Cannes, Locarno, Rotterdam, Berlinale e Sundance. “Um Animal Amarelo” é seu 4o longa-metragem, e o segundo em direção-solo. Já escreveu roteiros para cineastas como Karim Ainouz, Helvécio Maris e Marina Meliande.

Sinopse

Brasil, final de 2017. Fernando, um falido cineasta brasileiro, cresceu assombrado pelas memórias violentas de seu avô e assombrado pelo espirito de um homem moçambicano que lhe prometia riquezas e glória. Acossado pelo estado político e cultural de seu país, o cineasta mergulha em uma jornada de desventuras e inesperados milagres, em busca de fantasmas do passado.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte