Alternativo | Brasil

Cinema nacional tem boas apostas para 2020

Produções importantes devem movimentar as salas de cinema em todo o país
01/01/2020 às 07h05
Cinema nacional tem boas apostas para 2020Eduardo e Mônica está entre os filmes mais badalados do ano (Divulgação)

O ano de 2020 promete ser muito bom para os amantes do cinema brasileiro. Diversos filmes já estão sendo aguardados pelo público, como por exemplo Eduardo e Mônica, inspirado em uma música de grande sucesso da Legião Urbana. Além deles, outras obras devem atrair o público brasileiro para as salas de cinema. Selecionamos cinco filmes nacionais para prestar atenção em 2020.

Três Verões

Dirigido por Sandra Kogut e estrelado por Regina Casé, o filme conta a história de Madá (Regina Casé), uma caseira num condomínio de luxo à beira mar, acompanhamos o desmantelamento de uma família em função dos dramas políticos que abalaram o país. TRÊS VERÕES se passa ao longo de três anos consecutivos (2015, 2016 e 2017), sempre na última semana do ano, entre o Natal e o Ano Novo, na luxuosa casa de veraneio da família. O personagem de Madá está entre dois mundos, ela é dona da casa sem ser: Madá manda nos empregados, mas é também submissa aos patrões. A previsão de estreia é para o mês de março

Eduardo e Mônica

Com Alice e Braga e Gabriel Leone, interpretando os personagens principais, a adaptação de um maiores hits da banda Legião Urbana, a música “Eduardo e Mônica” virou filme, que deve chegar às salas de cinema de todo o país em abril de 2020.

A versão para o cinema de Eduardo e Mônica se passa no ano de 1986, na capital federal, e traz ainda no elenco os atores Otávio Augusto, Eli Ferreira, Fabrício Boliveira, Ivan Mendes, Victor Lamoglia, Bruna Spínola, Luisa Viotti, Digão Ribeiro e Juliana Carneiro da Cunha.

Macabro

Novo filme do diretor Marcos Prado, inspirado na história real de Ibrahim e Henrique de Oliveira, os “Irmãos Necrófilos”, que nos anos 90 foram acusados de brutais assassinatos de oito mulheres, um homem e uma criança, na Serra dos Órgãos, em Nova Friburgo, região serrana do Rio de Janeiro. O filme estreia em 2020, mas ainda não tem data prevista

Os crimes foram amplamente noticiados na mídia nos anos 90, quando assassinatos em série cometidos por dois jovens irmãos negros, seguido de estupro, estavam acontecendo na região serrana, envoltos em lendas e histórias sobrenaturais, contadas pelos próprios moradores - uma comunidade de imigrantes suíços, extremamente religiosa e conservadora.

A captura dos “Irmãos Necrófilos” foi uma das missões mais longas e difíceis da história do BOPE. O filme adota esse ponto de vista, ao acompanhar o sargento Teo (Renato Goés), um jovem policial que nasceu na região e passa por uma crise profissional e ética, quando é resignado para voltar à sua cidade natal na busca pelos suspeitos escondidos na Mata Atlântica.

A Divisão

No fim dos anos 1990 uma onda de sequestros abala o Rio de Janeiro. Um grupo de policiais assume a Divisão de Antissequestro (DAAS) e a missão de desmontar as quadrilhas que transformou o crime em indústria. Nos bastidores das investigações, a disputa de poder opõe de um lado, Mendonça - policial incorruptível porém extremamente violento - e do outro, Santiago, Ramos e Roberta - eficientes porém corruptos. O resultado: em poucos anos, zero ocorrências. O filme estreia em janeiro.


O Melhor Verão de Nossas Vidas

Bia, Giulia e Laura conseguem uma grande chance de participar de um Festival de Música muito famoso no Guarujá. Só que todos os planos dessas três amigas vão por água abaixo quando elas descobrem que ficaram de recuperação na escola. Assim elas terão uma missão arriscadíssima pela frente: ir ao Festival sem que seus pais fiquem sabendo. Previsão de estreia: janeiro

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte