Cidades | REINAUGURAÇÃO

Santuário do Carmo celebra reinauguração de estruturas restauradas

Teto e imagem de Nossa Senhora do Carmo passaram por obras de restauração
MONALISA BENAVENUTO / O ESTADO09/12/2019

SÃO LUÍS- Após cinco meses de obras, parte do Santuário do Carmo, localizada no Centro de São Luís, foi reinaugurado e entregue aos fiéis. Desde 2012 o teto do santuário estava danificado, o que além de oferecer risco aos visitantes, prejudicava a estética de uma das igrejas mais antigas da capital. Além do teto, a imagem de Nossa Senhora da Conceição também foi restaurada e recolocada no altar. O momento foi celebrado e festejado pela comunidade católica durante missas e um almoço realizado ontem (8).

Durante sete anos o teto da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, localizada na Praça João Lisboa, região central de São Luís, representava preocupação para a paróquia e seus fiéis devido às condições do forro, desgastado pela ação do tempo. Com o esforço da comunidade, em especial da Ordem dos Capuchinhos, responsável pelo santuário, campanhas e eventos de arrecadação de recursos possibilitaram a realização de uma obra de revitalização, iniciada em julho deste ano.

Ontem, cerca de cinco meses desde o início da restauração, o teto foi reinaugurado com todas suas características originais mantidas. Para o Frei Sílvio de Almeida, membro da coordenação da paróquia, o momento representa uma conquista importante para a igreja e para a população, devido à simbologia da igreja para a história de São Luís.

“É um momento de graça não somente para nós, capuchinhos ou para a igreja do Carmo, mas para toda a população de São Luís porque é uma obra esperada por muito tempo, visto que o forro ficou danificado por mais de sete anos. Devolver para a cidade de São Luís, com tanto sacrifício, é um momento muito importante para nós. A obra foi financiada pelos freis capuchinhos, com doações da comunidade e de benfeitores que nos apoiam e o resultado não poderia ser melhor”, declarou o frei.

Além do teto, a imagem mais representativa do santuário, a de Nossa Senhora do Carmo, também passou por restauro e retomou seu lugar no altar-mor da igreja. De acordo com o artista plástico e restaurador responsável pela obra, Joshua Pessoa, apesar da complexidade, os serviços foram realizados com sucesso.

“Depois de uma luta, de uma batalha grande, conseguimos a revitalização, a reconstrução do forro da capela-mor, com todas as características originais da construção, em estilo neoclássico, com a reprodução de todos os ornamentos, inclusive o cordeiro em alto-relevo que fica no centro do forro, justamente em cima do altar-mor. Nossa equipe também trabalhou, por dois meses, na imagem de Nossa Senhora do Carmo, então fizemos a higienização, restauração e preservação, para que o trabalho perdure e possa ser apreciado pelas gerações futuras”, explicou.

Para comemorar a reinauguração do santuário, os presentes rezaram o Ofício da Imaculada e, após a reentronização da imagem de Nossa Senhora do Carmo ao altar, uma missa solene foi celebrada e, em seguida, foi realizado um almoço especial, reunindo a congregação e os fiéis. Satisfeita com a nova imagem da igreja, a pedagoga Teresa Mesquita elogiou o trabalho e a dedicação dos freis para possibilitar a reforma.

“Às vezes ficamos insistindo para que as obras acontecessem logo, mas entendemos que é custo. Os freis estão de parabéns por toda a dedicação porque Jesus e Nossa Senhora do Carmo merecem o melhor. Valeu muito a pena a espera, amei a nossa nova Igreja. Está lindíssima”, ressaltou a fiel.

SAIBA MAIS

Sobre a Igreja do Carmo

A Igreja do Carmo, integrada ao convento é um dos templos católicos mais importantes e tradicionais da cidade. O conjunto localiza-se numa área tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) desde 1955. Em 1624, chegaram a São Luís três frades da Ordem do Carmo, acompanhados do frei Cristóvão de Lisboa, que receberam uma doação de terras do governador Alexandre de Moura. O primeiro convento foi edificado num local chamado sítio de Monsieur de Pinau, posteriormente conhecido como “Carmo Velho”, onde hoje se localiza a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, na Rua do Egito.

Pouco mais tarde, em 1627, foi construído o convento atual, onde havia uma capela dedicada a Santa Bárbara. Seu primeiro prelado teria sido frei Cristóvão de Lisboa ou frei André da Natividade. Durante a invasão holandesa (1640-1644), a igreja do Carmo foi alvo de depredações pelos invasores, que inclusive danificaram suas torres e paredões. Serviu também como quartel militar para os portugueses.

Após a expulsão dos holandeses, o convento abrigou diversos órgãos, incluindo o Corpo de Artilharia e o Corpo de Polícia. Lá funcionaram as aulas régias do ensino primário e secundário, a primeira biblioteca pública do Maranhão e a primeira sede do Liceu Maranhense, inaugurado no governo de Vicente Tomás Pires de Figueiredo Camargo. Em 27 de outubro de 1814, o convento obteve autorização para sediar aulas de ciências humanas e morais e teologia aos religiosos da ordem, além de aulas gratuitas de latim e retórica aos jovens. As aulas duraram até muito depois do período da independência.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte