Cidades | Dependente químico

Tratamento a usuários de drogas no Maranhão pode ter subsídios

Mais de 100 comunidades já oferecem tratamento diferenciado a dependentes químicos no estado, e a meta do Governo Federal é oferecer no próximo mês mais 500 vagas; encontro discutiu formas de participarem dos editais
Ismael Araújo / O Estado30/10/2019
Pessoas em situação de drogadição podem receber tratamento em comunidades terapêuticas

Mais de 35 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de transtornos devido ao uso de entorpecentes, enquanto apenas uma em cada sete pessoas recebe tratamento, de acordo com dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). No momento, muitos dependentes químicos estão optando por fazer tratamento sem o uso de medicamen­tos. Este tipo de serviço pode ser encontrado nas comunidades terapêuticas. Somente no Maranhão, existem 133 comunidades e cada uma delas pode comportar até 60 acolhidos, em quatro federações.

Ontem, 29, cerca de 130 representantes dessas comunidades participaram do 1º Encontro Estadual das Comunidades Terapêuticas com o Poder Público do Maranhão, na sede da Secretaria Estadual da Fazenda, localizada no bairro Renascença. Segundo o secretário estadual de Relações Institucionais (SRI), Enos Ferreira, um dos objetivos do evento foi informar os representantes das federações e comunidades terapêuticas sobre os requisitos ne­cessários para participarem dos editais de chamamento público para que possam se credenciar e pleitear vagas disponibilizadas pelo Ministério da Cidadania para o atendimento e acolhimento de dependentes químicos.

O secretário informou que, ainda na primeira quinzena de novembro deste ano, o Governo Federal disponibilizará mais de 10 mil vagas de atendimento e acolhimento de usuários de drogas em todo o país e para o Maranhão tem como meta fornecer um total de 500. Atualmente, o Poder Federal disponibilizou apenas 252 vagas para o estado maranhense e cada uma delas custa ao cofre da União R$ 1.100,00 por mês.

Ele também disse que, durante o encontro, a coordenadora-geral da Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (Senapred), órgão ligado ao Ministério da Cidadania, Débora Iara Moresco, explicará passo a passo aos representantes das comunidades terapêuticas do Maranhão como participarem dos programas sociais, inclusive adquirirem novas vagas custeadas pelo Poder Federal. “No momento, há mais de 100 comunidades terapêuticas no estado, mas apenas 40 estão credenciadas nas federações. O credenciamento é de suma importância, para que possam obter recursos”, explicou o secretário.

Tratamento
Uma das participantes do evento era a coordenadora da comunidade terapêutica Bom Samaritano, em Açailândia, Fernanda Fernandes. Conforme ela, informações novas são de suma importância, principalmente, no tocante a melhorias para o centro. O Bom Samaritano mantém 40 acolhidos, e o tratamento é feito durante o período de um ano.

Ela disse que o acolhido passa por três fases. No primeiro momento, é feito o trabalho de conscientização e sendo mostrado o que as drogas fazem na vida do dependente químico. Na segunda fase, o acolhido passa a receber as visitas dos familiares. A última fase é denominada de projeto de vida. Neste momento, ele é preparado para voltar ao convívio com a sociedade e até mesmo a ser inserido no mercado de trabalho.

Fernanda Fernandes ainda frisou que, após a saída do acolhido do Bom Samaritano, ainda é acompanhado por uma equipe de profissionais multidisciplinar composta por psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros e religiosos. “O acolhido, mesmo após a sua volta para a sociedade, continua tendo a atenção da comunidade terapêutica”, comentou.
Vanessa Diorsky, que é coordenadora da comunidade terapêutica, na Maiobinha, disse que a sua instituição atende 10 dependentes químicas, que passarão por tratamento de seis meses. “A comunidade é voltada para o tratamento de usuárias de drogas de forma gratuita e o trabalho é ainda mais desafiador. A internação é voluntária”, afirmou.

Pessoas em situação de drogadição podem receber tratamento em comunidades terapêuticas

Marcha
No próximo dia 3, ocorrerá a Marcha das Famílias Contra as Drogas, que é um evento que acontece em nível nacional, proposto pela Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (Senapred) e conta com o apoio das organizações sociais, conselhos de classes, órgãos de segurança pública, igrejas e a iniciativa privada.

Na capital maranhense, o ato vai ser realizado na Avenida Litorânea, no trecho entre a praia do Caolho ao Círculo Militar, e a concentração a partir das 8h. Itapecuru-Mirim e outras cidades maranhenses também vão realizar a sua marcha nesse dia.

ABRINDO O JOGO

Débora Iara Moresco
Coordenadora-geral da Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (Senapred), órgão ligado ao Ministério da Cidadania

Qual a função da Senapred?
Desde de março deste ano, todas as ações de cuidados, prevenção e reinserção social das políticas sobre drogas foram transferidas do Ministério da Justiça e Segurança Pública para a Senapred.

Qual o papel das comunidades terapêuticas no tratamento do dependente químico?
Elas são organizações de suma importância para esse tipo de tratamento e proporcionam atendimento psicossocial e ressocialização de dependentes químicos. Vale ressaltar que são instituições sem fins lucrativos.

Como as comunidades terapêuticas podem participar dos programas da Senapred?
Elas devem primeiramente ser credenciadas na secretaria e acompanhar os editais pelo site. Inclusive, no mês de novembro deste ano, o Governo Federal vai disponibilizar mais de 10 mil vagas de atendimento e acolhimento de usuários de drogas para todo o país.

SAIBA MAIS

Uma pesquisa realizada recentemente pela Universidade Federal de São Paulo apontou que no Brasil há um grande número de consumidores de crack. Na Grande Ilha, o consumo de entorpecente também é um problema agravante. Dados da Rede Maranhense de Diálogos Sobre Drogas (Remadd) revelaram que existem mais de 110 minicracolândias na Região Metropolitana de São Luís. Em 90% dos bairros há “bocas de fumo”.

NÚMEROS

133 comunidades terapêuticas no Maranhão
10 mil vagas de atendimento e acolhimento de usuários de drogas serão oferecidas pelo Governo Federal

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte