Pernas curtas

Marielle: provas técnicas mostram que porteiro mentiu sobre Bolsonaro

Representante do MP afirmou que depoimento foi comprovado como falso por prova técnica

O Estado MA

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h22
Depoimento sobre envolvimento da morte da vereadora foi forjado
Depoimento sobre envolvimento da morte da vereadora foi forjado (Marielle)

O porteiro que envolveu o nome do presidente Jair Bolsonaro na morte da vereadora Marielle Franco mentiu em depoimento à Polícia Civil. A declaração foi dada pela procuradora do Ministério Público Simone Sibilio, chefe do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (GAECO).

“As gravações comprovam que Ronnie Lessa é quem autoriza a entrada do Élcio. E, em depoimento, eles omitiram diversas vezes que estiveram juntos no dia do crime. O porteiro mentiu, e isso está provado por prova técnica”, afirmou Simone Sibilio.

A tese de fraude no depoimento ganhou força ao longo do dia após uma série de depoimentos e vídeos publicados na internet.

Investigadores também afirmaram que o porteiro de contradisse. No primeiro depoimento, relatou que ligou para casa de Bolsonaro. No segundo, confrontado com o áudio de sua conversa, manteve a versão, mas deixou dúvidas nas investigações em relação à veracidade das informações prestadas.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.