Esporte | Dá um dinheiro aí!

Moto Club divulga balanço, e espera fatia de negociação milionária

Papão divulga prestação de contas de 2019 e espera fatia em negociação milionária, entre Portugal e China, envolvendo jogador revelado na base do clube
Eduardo Lindoso / O Estado18/10/2019
Moto Club divulga balanço, e espera fatia de negociação milionária Dyego Sousa durante sua passagem pelo Braga, de Portugal (Site oficial do Braga)

SÃO LUÍS - Com comissão técnica definida, novo gerente de futebol e o elenco quase todo fechado com o clube, segundo palavras do próprio técnico, Marcinho Guerreiro, o Moto Club agora começa a planejar suas finanças para a próxima temporada, quando vai disputar a Copa São Paulo, com a equipe sub-19, o Estadual, a Copa do Brasil e a Série D com a equipe profissional. A atual diretoria do clube publicou em seu site oficial a prestação de contas de 2019, afirmou que tem abatido as dívidas da instituição, até de gestões anteriores, detalhou débitos ainda em aberto e revelou que espera o “mecanismo de solidariedade” da Fifa para receber uma quantia referente à venda do atacante Dyego Sousa, revelado pelo Papão, que recentemente trocou a equipe do Braga, de Portugal, pelo futebol chinês, em uma negociação que girou em torno de 5,4 milhões de Euros. Esse beneficio depende da idade que o atleta atuou na base da equipe maranhense, e pode chegar até 5% do valor da transação internacional.

Em sua página na internet, a diretoria do Moto Club, por meio do presidente Natanael Jr., publicou a prestação de contas e informou que o clube terminou 2018 com um saldo negativo de R$ 566.449,71, dos quais foram abatidos R$ 267.500,00 neste ano, consequentemente diminuindo esse valor para R$ 298.949. A publicação afirma, também, que pagou R$ 60.000,00 de débitos com hospedagem referente aos anos 2015, 2016 e 2017. A publicação de contas vai até agosto e detalha também que a folha de pagamento de julho teve uma parte que ainda não foi paga.

“Todos sabem que não conseguimos pagar a folha completa que venceu em junho, depois da eliminação do time. Tivemos que comprar muitas passagens aéreas em cima da hora para os jogadores não ficarem presos na cidade, aumentando a despesa de hospedagem e alimentação. Mas em julho pagamos uma parte dessa folha, na ordem de R$ 35.000,00, restando um pouco mais de R$ 100.000,00 para zerar o mês e mais alguns valores para acertar os dias trabalhados. Também temos débitos de hospedagens, alimentação e outras despesas em aberto dos últimos meses que chegam a aproximadamente
R$ 60.000,00”, explica o comunicado.O Moto Club deve realizar eleições até o fim de 2019, e a tendência é a manutenção do atual presidente Natanael Júnior, que até o momento é o único candidato. A pré-temporada do clube está agendada para o dia 9 de dezembro.

Dinheiro bem-vindo

No fim do comunicado, o Moto Club afirma: “Para zerar este ano, estamos aguardando o repasse da verba de solidariedade relativa à venda do atacante revelado pelo Moto Dyego Sousa, que foi negociado para um clube chinês”. Diante deste cenário, o clube maranhense, que, segundo registros, revelou o atacante, na sua equipe sub-17, aguarda seu valor, por direito, na negociação com o clube chinês Shenzhen Football Club, que girou em torno de 5,4 milhões de euros.

Segundo a imprensa portuguesa, esse valor deve ser pago pelos chineses. O “mecanismo de solidariedade” beneficia clubes pelos quais o jogador atuou até os 23 anos, que são considerados formadores. No máximo, eles podem receber até 5% do valor de uma transferência internacional, e a contagem só começa a partir dos 12 anos. Dos 12 aos 15 anos o percentual é de 0,25% por temporada, e, dos 16 aos 23 anos, são 0,5% por cada temporada.

Dyego Sousa nasceu em São Luís e começou sua carreira nas categorias de base do Moto Club. Logo após uma rápida passagem pela base do Palmeiras, ele estreou como profissional pelo Pa­pão, pelo qual fez 10 jogos e dois gols. Na temporada de 2010/11, no Leixões, de Portugal, o maranhense teve sua primeira oportunidade no futebol de Portugal. Ele entrou em campo 15 vezes e anotou três gols. Em 2012, o Interclube (Angola) pagou 150 mil euros pelo atleta, mas ele não chegou a atuar no futebol angolano. Em seguida, Dyego voltou para Portugal na temporada de 2012/13 para vestir as cores do Tondela. Lá, marcou quatro gols, em 30 jogos. Um ano depois, transferiu-se para o Portimonense, no qual anotou sete tentos em 31 partidas.

Em 2014/15, começou a defender o Marítimo e ficou lá por mais três anos, até 2016/17. Atuou em 80 partidas e fez 25 gols. Por último, foi para o Braga, onde atuou por mais de 40 jogos, até deixar o clube português para ir para a China, onde já fez seis jogos e três gols.

Momento especial

Destaque do Braga e vice-artilheiro do Campeonato Português da temporada passada, o atacante maranhen­se Dyego Sousa viveu um momento especial no mês de março deste ano. Ele foi convocado para defender a seleção de Portugal nas Eliminatórias da Eurocopa de 2020. Apesar de já estar há uma década em solo europeu, Dyego concluiu o processo de naturalização apenas em 2017, mesmo ano, por sinal, em que acertou sua transferência ao Braga. Após ser chamado pelo técnico Fernan­do Santos, Dyego Sousa defendeu Portugal nas artidas contra Ucrânia e Sérvia

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte