Estado Maior | COLUNA

Luta interna

12/09/2019

A estratégia do governador Flávio Dino (PCdoB) de avançar mais rumo ao seu projeto de ser candidato à Presidência da República em 2022 deixou o caminho aberto para que o senador Weverton Rocha (PDT) mostre as “garras” e deixe claro que ele será candidato ao governo estadual daqui a cerca de três anos.
Será uma luta interna - dentro do grupo de Dino - entre Rocha e o vice-governador Carlos Brandão (PRB), que já anunciou que será candidato desde o início de 2019.
E a prévia desta “guerra” será a eleição municipal no ano que vem. São Luís deverá ser o ringue principal. As movimentações já demonstram isso com postulantes a candidatos que disputam dentro de legendas e de grupo dinista o protagonismo para 2020.
Enquanto os dinistas se confrontam, o líder do grupo fala em fortalecimento da esquerda por meio das eleições de 2020 nas principais capitais do Brasil. A partir de resultados favoráveis em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre, será possível a esquerda - segundo a ideia do comunista - derrubar o presidente Jair Bolsonaro no voto.
Pelas movimentações do governador, São Luís não se inclui nas principais capitais que podem fortalecer seu campo político.
Deve ser por isso que o comunista deixou de lado - pelo menos por enquanto - a disputa pela sucessão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte