Política | Eleições 2020

PDT veta pré-candidatura de Yglésio e confirma projeto para Osmar Filho

Weverton Rocha, presidente da sigla, afirmou que conversou pessoalmente com o deputado Yglésio Moyses para falar sobre o apoio do partido à pré-candidatura do presidente da Câmara Municipal
Ronaldo Rocha da editoria de Política10/09/2019
PDT veta pré-candidatura de Yglésio e confirma projeto para Osmar FilhoAgência Assembleia

O senador Weverton Rocha, presidente estadual do PDT no Maranhão, rechaçou abrir mão da pré-candidatura do presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Osmar Filho, em detrimento de um projeto eventualmente desenhado para o deputado estadual Yglésio Moyses.

Durante encontro da sigla no último fim de semana, Weverton afirmou que já conversou com Yglésio para falar do apoio da legenda à pré-candidatura de Osmar Filho.

Yglésio tentava se viabilizar pela legenda, sob a justificativa de legitimidade para entrar na disputa. O partido, no entanto, vetou o projeto.

“Já conversei francamente com o Yglésio e deixei claro que o candidato é o Osmar Filho. Espero que eles assim como os demais possamos nos unir em torno do nome do Osmar”, afirmou o presidente do PDT o estado.

Weverton também vetou a eventual saída de Yglésio da sigla. Sem espaço no PDT, o deputado passou a tentar se articular em outras siglas, a exemplo do PRB. O objetivo era manter seu nome dentre os pré-candidatos já avaliados em pesquisas de intenções de votos.

Com uma colocação razoável entre os pré-candidatos, o parlamentar apostava numa ascensão a partir de janeiro de 2020, ano eleitoral.

“A gente tem um trabalho e não fica criando ilusões e nenhum tipo de desilusões (sic). As conversas na política têm que ser mais objetivas. E eu, francamente, já falei para o Yglésio sobre o assunto: ele sabe que hoje o pré-candidato do PDT é o Osmar Filho”, disse e completou: “Não será liberado para sair do partido”.

Unidade

Ao defender apoio do PDT à pré-candidatura de Osmar Filho, o senador Weverton Rocha citou a recente decisão de Ivaldo Rodrigues, secretário municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa).

Ivaldo abriu mão de sua pré-candidatura no PDT, como gesto de apoio ao projeto defendido por Osmar Filho.

“Aqui ao meu lado o secretário Ivaldo Rodrigues que tem o sonho de governar a cidade, sonho de ser candidato a prefeito. Ivaldo entendeu as razões políticas do momento e fez um grande gesto, retirando a sua candidatura para prefeito de São Luís para apoiar o pré-candidato Osmar e é a mesma postura que nós esperamos do Yglésio”, completou.

SAIBA MAIS

O PDT é o partido do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, reeleito em 2016 para um mandato de mais 4 anos. Apesar de acumular dois mandatos à frente do Executivo Municipal, Edivaldo tem sido nulo no debate de sua própria sucessão. No PDT, quem está à frente das discussões é o senador Weverton Rocha.

Yglésio reage, reafirma candidatura e diz que pode deixar o PDT

O deputado estadual Yglésio Moyses reagiu às declarações do senador Weverton Rocha (PDT), assegurou a manutenção de sua pré-candidatura e deixou aberta a possibilidade de migrar para outro partido político.

Por meio de nota de esclarecimento ele negou qualquer disputa interna contra o presidente da Câmara Municipal, vereador Osmar Filho, e defendeu a legitimidade de pleitear espaços para a eleição 2020.

“Minhas declarações prévias nunca apontaram para qualquer possibilidade de disputa interna no PDT, contra quem quer que seja. É legítima, não apenas para mim, mas como para qualquer filiado, a possibilidade de buscar viabilizar seu projeto de pré-candidatura a qualquer cargo que seja”, disse.

Ele negou que Weverton tenha vetado a sua saída do partido. A informação foi veiculada em blogs alinhados ao Palácio dos Leões.

“Não aparece, em nenhum momento do vídeo, a declaração de que Weverton ‘veta’ minha saída do PDT. O mesmo, em nossa conversa reservada, como democrata que é, em nenhum momento colocou empecilho a uma eventual mudança de partido minha, caso eu consiga viabilidade”, pontuou.

Yglésio deixou claro na nota que, se permanecer sem espaços na sigla, buscará outra legenda para disputar a Prefeitura de São Luís.

“Tenho apreço ao PDT e à sua história, porém considero legítimo também colocar meu nome à disposição de São Luís e é com esse mesmo apreço, misto de admiração e respeito, como alguém que quer sempre somar e jamais atrapalhar, que considero a possibilidade de encontrar outra casa partidária. Reafirmo minha pré-candidatura, pois estamos em um momento pré-eleitoral, onde a população deve ter a oportunidade de a valiar os melhores projetos, mandatos, biografias e na eleição escolher o que melhor convier para o futuro da cidade”, finalizou.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte