Cidades | 407 anos de São Luís

Procissão dos Orixás: milhares de adeptos de religiões afro celebram 407 anos de São Luís

Cortejo seguiu da Praça Dom Pedro II à Igreja do Desterro, tendo à frente o vereador e pai de santo Astro de Ogum
Daniel Matos09/09/2019 às 16h31
Procissão dos Orixás: milhares de adeptos de religiões afro celebram 407 anos de São LuísProcissão chega à Igreja do Desterro, onde houve saudação à corte do Divino e às imagens de São Luís Rei de França (gentil nagô Dom Luís Rei de França), Santa Bárbara (Iansã), Nossa Sra. da Conceição (Iemanjá e Oxum) e São Sebastião (Oxóssi) (Zeqrok Neto)

“A força e beleza da religião de matriz africana”. Assim podemos definir a reunião de milhares de pais, mães, filhos e filhas de santo dos quatro cantos do Estado, além do vizinho Paiui, bem como autoridades, imprensa e turistas participaram de mais uma edição da Procissão dos Orixás, realizada neste domingo(08) na capital maranhense.

A coincidência da data, mesma da fundação da cidade de São Luís pelos franceses, não acontece por acaso, mas, sim, em razão da data também servir para celebrar Dom Luís Rei de França, para os umbandistas, patrono da cidade.

Muitos usando as indumentárias típicas da religião e outros descaracterizados, entoando o Hino da Umbanda, sob a batuta do vereador e pai de Santo Astro de Ogum, uma multidão deixou a Praça Pedro II em direção à Igreja do Desterro por volta das 18h30.

O evento, promovido pela Federação de Umbanda e Cultos Afros do Estado do Maranhão – FUCABMA - com apoio da Prefeitura de São Luís, integra o calendário das atividades em comemoração ao aniversário da cidade.

Tradição

A procissão é organizada há mais de 50 anos pela FUCABMA – entidade presidida Biné Gomes, Abinokô do Terreiro de Iemanjá e Membro do Conselho Estadual de Igualdade Racial, e que tem como patrono Astro de Ogum, vice-presidente da Câmara Municipal de São Luís.

As caravanas advindas do interior e Piauí passaram o dia no Parque Folclórico da Vila Palmeira, de onde seguiram para a Praça Pedro II.

Antes da saída da procissão, ao som das caixeiras do Divino e bloco afro Filhos de Nanã, integrantes de terreiros cantaram hinos da Umbada e de louvação a Oxalá e Iemanjá. Logo em seguida, os tambores de mima rufaram para que os adeptos mostrem a força da religião de matriz africana e, dançando, saudarão os 407 anos de fundação de São Luís.

Na frente, um grupo de crianças representou a corte imperial do Divino Espírito Santo. A caminhada percorreu a Rua dos Afogados, Rua do Egito, Praça João Lisboa, Rua 14 de julho e Rua da Palma até chegar ao Largo do Desterro.

Dentro da igreja, houve a saudação à corte do Divino e às imagens de São Luís Rei de França (gentil nagô Dom Luís Rei de França), Santa Bárbara (Iansã), Nossa Sra da Conceição (Iemanjá e Oxum) e São Sebastião (Oxóssi). Após a lavagem da escadaria da Igreja do Desterro, sob a proteção dos guias e orixás, os tambores e cabaças rufaram para homenagear voduns, orixás e a encantaria maranhense.

Proteção

À frente da procissão, pedindo proteção, paz e muita saúde, o pai de santo Astro de Ogum. O vereador, que é filho de Oxumaré com a cabeça emprestada para Ogum, ratifica que o ritual é uma forma de realizar a limpeza espiritual da cidade.

“Cumprimos essa rotina há mais de 50 anos. A lavagem da escadaria da Igreja do Desterro, uma das mais antigas da cidade, nos permite promover o congraçamento entre os cultos de matriz africana. Neste momento, seremos movidos pela fé, e de olhos fechados pedimos paz, saúde e harmonia”, finalizou Astro de Ogum.

O vereador, que coordena o evento há 22 anos, afirma que milhares de pessoas participam deste ato de fé e religiosidade. “O que nós queremos, a cada ano, é pedir saúde, paz e prosperidade para todas as pessoas, independente de religião, uma vez que cada um encontra a sua maneira de chegar a Deus. Hoje, a humanidade precisa plantar o amor para colher a paz. Precisamos engrandecer a nossa alma, porque o corpo é só um estacionamento ”, finalizou.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte