Vida | Tendência

Você já falou algum Palavrão hoje?

Professor de português comenta sobre a tendência do uso de forma corriqueira; segundo ele, as palavras de baixo calão têm se tornado um modelo de disrupção
11/08/2019 às 00h00
Você já falou algum Palavrão hoje? Em muitos dialetos, diz-se palavrão como se diz ''bom dia'' (Divulgação)

Minas Gerais - Já parou para pensar por que em nossa sociedade, nos dias de hoje, é comum o uso normalizado das palavras de baixo calão – os chamados palavrões? Segundo o professor Carlos André, autor dos livros "A nova ortografia da língua portuguesa" e "Na ponta da língua", pesquisador pela UFMG e reconhecido linguista brasileiro, este questionamento tem uma natureza de ciências humanas, e, portanto, há estudos e teorias para tentar explicá-lo. Historicamente, havia todo um rito para a fala, pensado a partir da teoria iluminista. O chamado "lugar de fala" pertencia aos intelectuais, mas hoje o que se nota é uma mudança sobre este aspecto."

"Com as redes sociais, as pessoas tidas como comuns também passaram a ter um lugar de fala, de si. Antigamente, só intelectuais podiam falar. Agora, todo mundo pode. E já que a voz está aí, uso dos palavrões torna-se um ponto de disrupção com o modelo anterior, uma vez que doravante, então, diz-se o que quiser. O palavrão seria, portanto, uma espécie de questionamento à sociedade e aos seus aspectos formais, oriundos da cultura Iluminista e pós Revolução Francesa", expõe Carlos André.

Outro aspecto importante a ser observado e discutido sobre esta temática é que, em algumas sociedades, o palavrão tem deixado de ser propriamente "palavrão". "Em muitos dialetos, diz-se palavrão como se diz 'bom dia'. O que ocorre é que, nestes casos, a carga semântica da palavra, é entre aspas, perdida. Há uma ruptura em seu núcleo", elucida Carlos André. "É neste contexto que vem a expressão 'ligue o foda-se', mas não como um xingamento, e sim como uma ruptura de padrões e empoderamento dos lugares de fala, aliados à cópia da cultura 'bad boy' estadunidense, de dizer aquilo que penda à gíria e que tem sido cada vez mais comum na apropriação dos dialetos cotidianos, fato que tem se tornado cultural, inclusive", afirma o linguista.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte