Cidades | Resíduo

Lixões ocupam margens da BR-135, na área Itaqui-Bacanga

Três pontos de concentração de lixo na margem da rodovia deixam via perigosa e insalubre; vaso sanitário, tripas de animais, latas velhas e móveis quebrados podem ser encontrados nos lixões; urubus sobrevoam os locais
Ismael Araújo / O Estado06/08/2019 às 23h59
Lixões que ficam às margens da BR-135; moradores e feirantes da região fazem o descarte

Pelo menos três lixões fo­ram identificados ao lon­go da BR-135, no trecho localizado na área Itaqui-Bacanga, próximo ao Anjo da Guar­da, além de material apodrecido espalhado pelo canteiro central. Apesar da coleta sistemática realizada na região, muitas pessoas preferem fazer o descarte irregular, criando lixões à margem da rodovia, que deixam a área com aspecto de descaso.

Logo na entrada da Vila Dom Luís, pode ser vistos vários sacos de lixos, garrafas pet, papelão, lama, tripas de animais e urubus sobrevoando pela área.

Nas proximidades desse local, Clednea Arouche, de 30 anos, tem uma banca de lanche há cinco anos e contou que nos últimos meses aumentou a concentração de lixo e com isso o mau cheiro, que atrapalha até sua venda dos alimentos. “Os clientes sentem o cheiro de podre e vão embora sem comprar nada”, reclamou.

Clednea Arouche disse que a maioria do material apodrecido é jogada durante o período da tar­de, principalmente pelos feirantes da Vila Embratel. “Eles jogam resto de tripas de galinha e peixes e acabam deixando o local com um odor insuportável”, afirmou a vendedora.

Outra moradora, Cristiane Viei­ra, de 47 anos, disse que, quando vem da caminhada, no começo da noite, há lixo espalhado até na via federal, embora a sujeira seja recolhida pelos funcionários, que prestam serviço para a Prefeitura.

O outro ponto de lixão está localizado após o Viva do Anjo da Guarda. Nesse local, é possível encontrar vaso sanitário velho, papelões, pia, eletrodomésticos quebrados, móveis de madeira, livros e cadernos. Milton Gusmão, de 54 anos, denunciou que carroceiros e caminhoneiros aproveitam o período da noite para descartar lixo no local. Na manhã de ontem, uma parte desse material estava sendo recolhida por funcionários da Prefeitura.

Também entre os bairros do Anjo da Guarda e a Vila Isabel há outro local de concentração de lixo. Em plena luz do dia, há pessoas juntando sacolas, latas velhas e resto de comida, assim como outras jogando entulho e lama no mesmo local.

Canteiro central
No canteiro central da BR-135, no trecho nas proximidades da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), também há concentração de lixo. Neste ponto, podem ser observadas latas e sacos velhos, papéis sujos, lama, vaso sanitário e outros tipos de dejetos.

O cenário também é o mesmo no canteiro central, localizado próximo à entrada do Anjo da Guarda e do bairro da Vila Isabel. Carlos Augusto Silva, de 32 anos, disse que esse lixo espalhado no canteiro central pode resultar até mes­mo em acidente de trânsito.

O Comitê Gestor de Limpeza Urbana informou que a Avenida dos Portugueses tem pontos de descarte irregular de resíduos sólidos, nos quais são feitas ações de remoção manual e mecanizada para retirada do lixo acumulado pelo menos três vezes por semana. Em cada ação são retiradas até 45 toneladas de resíduos.

Sujeira é descartada às margens da BR-135

O órgão ressaltou que a coleta domiciliar nos bairros da região Itaqui-Bacanga é realizada de forma regular. Ao longo da Avenida dos Portugueses, a coleta é feita todos os dias, sempre no período diurno. Já dentro dos bairros a coleta ocorre em dias alternados, sempre no período diurno.

O Comitê pede aos moradores que façam o descarte correto do lixo domiciliar e respeitem os dias e horários da coleta, pois a prática irregular é passível de multa, conforme prevê a Lei Municipal Nº 6.321/2018.

Para saber os dias e horários da coleta, os moradores podem entrar em contato com a Central de Atendimento do Comitê Gestor de Limpeza Urbana pelo telefone 0800 098 1636.

Por fim, o Comitê informa que iniciará as obras do Ecoponto Vila Isabel para coibir o descarte irregular na Avenida dos Portugueses.


SAIBA MAIS

Em São Luís, há 15 Ecopontos implantados desde o ano de 2016. Os três últimos entregues há um mês. O projeto de criação dos Ecopontos foi desenvolvido para atender aos geradores e transportadores de pequena quantidade de resíduos, com volumes inferiores a 2 m³, transportados por veículos como picapes, carrinhos de mão ou carroças. A instalação dos Ecopontos atende, ainda, aos ditames estabelecidos na Parceria Público-Privada (PPP), na modalidade de concessão para execução de serviços de limpeza pública e manejo de resíduos sólidos, firmada pela Prefeitura com a empresa São Luís Engenharia Ambiental. Entre outras finalidades, a ação tem ainda como objetivo contribuir para a proteção da saúde pública e da qualidade ambiental; o descarte correto de pequenos volumes; a extinção dos lixões, além de estimular o reaproveitamento e a reciclagem de materiais descartáveis e proporcionar à população um local específico para fazer a destinação do lixo reciclável acumulado em sua casa. Os materiais recebidos nos Ecopontos são plástico, vidro, papel, metal (até 200 kg/dia por pessoa), gesso, resíduos de construção civil, resíduos de poda, móveis velhos (até 2m³/dia por pessoa), pneus (2 unidades/dia por pessoa), óleo de cozinha (4 litros/dia por pessoa). A implantação dos Ecopontos é uma diretriz prevista na Lei Federal Nº 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS) para garantir a melhoria na gestão de resíduos sólidos em todo o país.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte