Cidades | Férias

Ações preventivas intensificadas por salva-vidas na orla

Operação realizada pelo Batalhão de Bombeiros Marítimos nas praias de São Marcos, Calhau, Meio e Araçagi já registrou mais de 7.500 abordagens
29/07/2019
Ações preventivas intensificadas por salva-vidas na orlaNo último sábado, bombeiros salvaram a vida de uma banhista que estava se afogando na Praia do Calhau (Divulgação)

São Luís - Pelo menos 60 militares do Batalhão de Bombeiros Marítimos estão mobilizados para a Operação Praia Segura, intensificada neste mês na orla marítima da capital. Os homens atuam nas praias de São Marcos, Calhau, Meio e Araçagi. O trabalho tem como foco principal a prevenção de incidentes, principalmente em se tratando de afogamentos.
Este ano, até agora, já foram realizadas mais de 7.500 abordagens, ou seja, mais do que o número relativo ao ano passado inteiro, que somou 7.200. No último sábado, os bombeiros salvaram a vida de uma banhista na Praia do Calhau. A mulher foi socorrida desacordada e, após os procedimentos de primeiros-socorros, foi levada para o hospital.
“Horas depois do salvamento aquático, fui pessoalmente ao hospital verificar a situação dela e, graças a Deus, ela havia se recuperado. É muito gratificante saber que nosso trabalho salvou mais uma vida. Estamos sempre atentos e orientando os banhistas quanto às regras de segurança, que são de suma importância. Um minuto de descuido pode valer uma vida”, diz o major Munilson Rocha, do Batalhão de Bombeiros Marítimos.

Patrulhamento
Segundo Major Munilson, os homens começam cedo o trabalho de patrulhamento. Além de caminharem livremente sobre a areia, eles contam com a ajuda de motos aquáticas, quadriciclos, pick-ups e botes. Além disso, utilizam uma ambulância, que permanece estacionada para eventualidades. As abordagens são feitas individualmente ou reunindo grupos de pessoas, principalmente quando o grupo é de turistas ou formado por pessoas provenientes do interior do estado.
“Nos preocupamos muito também com as crianças, pois, vez por outra, há casos de crianças que se perdem dos pais. Recentemente, ocorreu um caso, mas conseguimos localizar a criança e devolvê-la à mãe. Nós sempre recomendamos que a distância dos pais para as crianças seja de um braço. Ou seja, os pais não podem se descuidar dos filhos”, acrescenta.
Os bombeiros também atentam para a questão do banho de mar. Nas abordagens, eles orientam sobre o fato de que os banhistas devem obedecer a frase que diz; “água no umbigo, sinal de perigo”. “É bom lembrar que, segundo a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), anualmente, são registrados 16 afogamentos com óbito no Brasil. No Maranhão, por ano, há dois ou três incidentes com mortes. E nosso esforço é para zerar essa estatística”, finaliza o major.

Dicas para evitar afogamento

- Nunca deixe crianças sozinhas quando estiverem dentro ou próximas da água, nem por um segundo. Nessas situações, garanta que um adulto estará as supervisionando de forma ativa e constante o tempo todo;

- Ensine as crianças que nadar sozinhas, sem ninguém por perto, é perigoso;

- O colete salva-vidas é o equipamento mais seguro para evitar afogamentos. Boias e outros equipamentos infláveis passam uma falsa segurança, mas podem estourar ou virar a qualquer momento;

- Tenha um telefone próximo à área de lazer e o número do atendimento de emergência sempre visível (SAMU: 192; Corpo de Bombeiros: 193);

- Muitos casos de afogamentos acontecem com pessoas que acham que sabem nadar. Não superestime a habilidade de crianças e adolescentes;

- Crianças devem aprender a nadar com instrutores qualificados ou em escolas de natação especializadas. Se os pais ou responsáveis não sabem nadar, devem aprender também;

- Ensine as crianças a não correr, empurrar, pular em outras crianças ou simular que estão se afogando quando estiverem no mar.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte