Cidades | Cultura

Encontro de Miolos de Bois reúne mais de 200 brincantes na Praia Grande

A 14ª edição do evento levou diversão a turistas e populares durante toda a sexta-feira (12), com apresentações que duraram das 8h às 20h
12/07/2019 às 15h32
Este ano, mais de 50 miolos mirins participaram do encontro

SÃO LUÍS - Um dos integrantes mais importantes dos grupos de bumba meu boi é o miolo. E os responsáveis por dar os movimentos e evolução a uma das figuras mais icônicas das festas juninas do Maranhão ganharam, ontem, 12, um dia inteiro de homenagem. A 14ª edição do Encontro de Miolos de Bumba Meu Boi foi realizada no Canto da Cultura, cruzamento da Rua Portugal e Rua da Estrela, na Praia Grande, Centro Histórico de São Luís.

Mais de 200 miolos levaram seus bois, que ficaram expostos durante todo o dia no calçadão das duas populares vias. Turistas e locais se deslumbraram com os coloridos bordados do couro dos bois.

O exercício é majoritariamente representado por homens, mas no Bumba Meu Boi Estrela d’Alva essa realidade é diferente. Maria Antônia, estudante de 16 anos, é miolo há dois. “Me interessei por causa de um primo que já era miolo. Eu adoro ser responsável por isso e a cada ano estou me esforçando mais”, conta, em entrevista para O Estado.

O ano de 2019 também foi recorde em número de miolos mirins. Mais de 50 crianças ficaram responsáveis pela evolução do boi nas companhias de todo o estado. O pequeno Dudu é miolo desde os 3 anos de idade. “Ele nasceu no boi. Hoje, com 6 anos, ele miolo, mas já sabe tocar pandeiro, dançar como índio e como vaqueiro”, contou a mãe, Rosângela Silva.

Público foi conferir o encontro, na Praia Grande

Edição 2019
Neste ano, o homenageado foi o brincante Antônio Medeiros, o “Teté”, septuagenário que é miolo de boi há mais de 40 anos. A festa incluiu exposição de capoeira e couros bordados.

Com cerca de 10 mil pessoas passando pelo local durante todo o dia, o produtor cultural José Reis, idealizador e organizador do evento, contou sobre a felicidade do evento já ser consagrado na Ilha.

“Essa iniciativa começou em 2002, no bairro Maiobão, com a participação de aproximadamente 25 miolos. Depois, o evento ficou por três anos sem acontecer e voltou em 2006, já na Praia Grande, onde se cumpria o cortejo que sai da Praça Deodoro. Temos que homenagear esses brincantes que são tão importantes no nosso São João”, reforçou o produtor.

A festa foi embalada pelas apresentações paralelas das bandas de músicos do 24º Batalhão de Infantaria Leve (BIL), Boi Brilho do SESC, Polícia Militar, Banda do Bom Menino das Mercês e Guarda Municipal.

Bois e seus bordados expostos na Praia Grande

Quem são os miolos
Os miolos ficam embaixo do couro do boi e são os responsáveis pela evolução do personagem principal da festa. Ao longo do período junino, eles ficam no anonimato, pois assumem a identidade do personagem para imprimir vida e graça às apresentações dos grupos nos quais evoluem.

Os miolos precisam ter excelente preparo físico, uma vez que as apresentações são diversas e a encenação, geralmente rodopiando nos terreiros, é uma das marcas registradas dos grupos do gênero.

Mais de 200 miolos participaram da edição deste ano

Galeria de fotos

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte