Polícia | Estupro

Menores são vítimas de violência sexual no interior do Maranhão

Em 24 horas, cinco pessoas acusadas de estupro e aliciamento, foram presas, entre elas uma mulher, que explorava a sobrinha de 12 anos
Ismael Araújo11/07/2019
Menores são vítimas de violência sexual no interior do MaranhãoNice dos Reis aliciava a sobrinha em sua casa de prostituição (Divulgação)

SÃO LUÍS - Cresce o número de crianças e adolescentes vítimas de violência sexual, principalmente no interior do estado. Somente ontem, a polícia prendeu e encaminhou para unidade prisional cinco pessoas suspeitas de praticarem esse tipo de ato bárbaro. Uma delas foi Nice dos Reis, idade não revelada, que foi presa na tarde de terça-feira, 9, acusada de aliciar a própria sobrinha, de 12 anos. Ela é proprietária de uma casa de prostituição, em Bom Lugar, e pagava por cada programa da jovem, R$ 50,00.

A polícia recebeu a denúncia que a mulher estava explorando sexualmente adolescentes e uma delas seria a própria sobrinha. O caso foi investigado pela Delegacia Regional de Bacabal, e nesta terça-feira, 9, os policiais, de posse de ordem judicial, realizaram uma vistoria na propriedade e encontraram a menor.

Nice dos Reis foi presa em flagrante e conduzida para a delegacia, em Bacabal, onde foi autuada, enquanto a menina foi entregue ao Conselho Tutelar de Bom Lugar e ainda ontem passaria por exames periciais.

Próprio avô

Já no povoado Mata, zona rural de Icatu, uma criança de 11 anos, foi violentada sexualmente e está gestante do próprio avô, José de Ribamar Alves, de 62 anos. Esse ato criminoso teve início no mês de janeiro deste ano e vinha ocorrendo com frequência.

O caso foi denunciado para a Polícia Civil e o acusado foi preso na terça-feira, 9, por ordem judicial. A vítima foi encaminhada para atendimento no Centro de Perícias Técnicas para Criança e o Adolescente (CTPCA), na capital maranhense, a fim de se submeter a exames, cujo resultado será anexado ao inquérito policial.

Mais ocorrências

Também, na terça-feira, 9, foi preso em cumprimento de uma ordem judicial Edmilson da Silva Marinho, de 41 anos, acusado de ter estuprado a própria enteada, de 13 anos, em Olho d’Água das Cunhãs. A polícia informou que o ato criminoso ocorreu em maio deste ano, quando a mãe da jovem estava viajando. A menor teria sido violentada em seu quarto a madrugada, no momento em que dormia e acordou despida.

Outro que foi preso foi Antônio Francisco Alves Almeida, o Tulica, na cidade piauiense de Pedro II, sob suspeita de ter violentado sexualmente uma mulher portador de transtorno mental, em São Luís Gonzaga. O crime teria ocorrido no mês de maio deste ano.

Ontem foi detido Antônio Almeida Araújo, de 43 anos, na cidade de Cururupu, também acusado de violência sexual. O crime teria sido praticado durante um ensaio de uma quadrilha junina no início do mês de abril, e a vítima foi uma adolescente de adolescente, de 13 anos. Ele foi levada para um terreno baldio, próximo ao local do ensaio, onde o crime foi praticado. O criminoso, em agosto do ano passado, já havia tentado tirar à força, a roupa da vítima.

Foragido

A polícia de Brasília afirmou, ontem, que o catequista e instrutor de futebol, José Antônio Silva, de 47 anos, natural do Maranhão, é acusado de abusar sexualmente de mais de 26 crianças entre 4 e 12 anos, na capital do país. Ele teve a prisão preventiva decretada na semana passada pelo Poder Judiciário.

José Antônio, mesmo sendo maranhense, cresceu na cidade de Guará, em Brasília, onde era bastante conhecido devido as aulas de futebol que ministrava de graça. Segundo a polícia, as primeiras vítimas foram os meninos de seu convívio familiar, violentados na residência de seus pais.

O delegado da 4ª Delegacia de Polícia Civil de Guará, Douglas Fernandes, declarou que a primeiro a denunciar foi um parente do acusado, que hoje tem 30 anos. “Ele tinha medo de prejudicar a família, mas não suportou que a situação pudesse acontecer novamente. Em seguida, outros parentes se sentiram encorajados e decidiram nos procurar assim como outras vítimas”, comentou o delegado.

Saiba mais

Dados da Delegacia da Mulher de São Luís revelaram que ocorreram 59 crimes de estupro na Ilha no ano de 2017, e em 2018, 89 ocorrências, um crescimento de 34%. Os números do primeiro semestre de 2019 não foram revelados.

Número

5

foi o número de suspeitos de crimes de violência sexual contra crianças e adolescentes no Maranhão foram encaminhados, em menos de 24 horas, para unidade prisional do interior do estado

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte