Saúde

Você dorme bem?

Especialista alerta para as consequências negativas de noites maldormidas, que resultam na redução do desempenho e podem levar a doenças

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h24
Muitas pessoas têm dificuldade para dormir
Muitas pessoas têm dificuldade para dormir


Nunca é demais discutir e conscientizar a população sobre a importância em se ter uma noite de sono ininterrupta e de qualidade, bem como as consequências nocivas para aqueles que sofrem de privação do sono a longo prazo. O sono sadio, como se sabe, é um dos principais pilares para a manutenção da boa saúde e, quando ele é ruim, a qualidade de vida fica prejudicada.

De acordo com a Sociedade Mundial do Sono, cerca de 45% da população mundial registra algum problema para dormir. “As pessoas precisam saber que existem diversos tipos de distúrbios do sono, mas o principal é que podemos atuar na prevenção, no diagnóstico e no tratamento. Basta que os portadores destes distúrbios procurem por ajuda especializada”, alerta o coordenador do Departamento de Medicina do Sono da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), Fabio Lorenzetti.

Segundo o especialista, a privação de sono, quando ocorre de maneira rotineira, pode causar fadiga, diminuição dos reflexos, sonolência diurna, queda da imunidade, dificuldade de concentração, problemas de memória e ganho de peso. “A longo prazo, este sono insuficiente pode ocasionar graves distúrbios mentais, dificuldade em formar frases e perda do foco de atenção. Outros possíveis efeitos de noites maldormidas são: problemas crônicos de pele; apetite aumentado, principalmente para refeições calóricas; menor propensão a convívio social; atraso nos horários de atividades; entre outros”, revela.

De acordo com Lorenzetti, algumas medidas simples são indicadas para minimizar o risco de o indivíduo sofrer com problemas relacionados ao sono.

“Estabeleça uma rotina de horários regulares, para dormir e acordar; pratique atividades físicas, preferencialmente pela manhã; evite ingerir bebidas que contenham cafeína no período da noite; mantenha o ambiente em silêncio, confortável e com baixa luminosidade; evite o consumo de álcool e o tabagismo; controle seu peso e tenha uma dieta balanceada. Se, mesmo assim, não conseguir atingir boas noites de sono, o mais indicado é procurar um especialista para avaliação detalhada, diagnóstico e tratamento adequados”, afirma o coordenador do Departamento de Medicina do Sono da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF).

Por fim, o especialista ressalta ainda que o sono ruim pode acelerar o envelhecimento do indivíduo. “Pelo menos um terço da população pode apresentar distúrbios respiratórios noturnos, como ronco e apneia do sono, que podem acarretar outros problemas de saúde, e o otorrinolaringologista é um dos especialistas aptos a tratar desses distúrbios”, finaliza.

Saiba Mais
Existem cerca de 70 tipos de distúrbios de sono. Os mais comuns são a insônia e a apneia do sono.

Insônia - É o distúrbio do sono mais frequente, e pode ser caracterizado por dificuldade em iniciar o sono, dificuldade em manter o sono, despertares durante a noite, despertar cedo ou mesmo ser identificada devido a queixas de sensação de cansaço durante o dia.
Ela pode surgir isoladamente ou ser secundária a uma doença, como depressão, alterações hormonais ou doenças neurológicas, por exemplo, ou ser provocada por certas substâncias ou remédios como álcool, cafeína, ginseng, tabaco, diuréticos ou alguns antidepressivos.
O que fazer: Para combater a insônia, é necessário ir à consulta médica, que poderá avaliar a existência ou não de condições ou doenças que estejam causando a insônia, através da análise clínica e realização de exames. É orientado fazer a higiene do sono, através de hábitos que favorecem o adormecimento, e quando necessário, medicamentos como melatonina ou ansiolíticos também podem ser indicados.

Apneia do sono - Também chamada de síndrome da apneia obstrutiva do sono, ou SAOS, esta é uma perturbação da respiração em que ocorre uma interrupção do fluxo respiratório, devido ao colapso das vias aéreas. Esta doença provoca alterações no sono, ocorrendo uma incapacidade de atingir fases mais profundas, e dificultando o descanso adequado.
O que fazer: O diagnóstico é indicado pela polissonografia, e o tratamento é feito com o uso de máscaras adaptáveis de oxigênio, chamada de CPAP, além de alterações de hábitos como perder peso e evitar o fumo. Em certos casos, pode ser indicada uma cirurgia para correção do estreitamento ou obstrução do ar nas vias respiratórias, causada por deformidades, ou a colocação de implantes.

Sabedoria popular
Lembra daquela receitinha da vovó, de tomar um copo de leite morno antes de ir para a cama para dormir melhor? Pois bem, neste caso a sabedoria popular tem bases científicas que a comprovam.
"Embora a temperatura do leite não influencie diretamente no sono, um copo de leite quentinho proporciona um conforto gástrico, além do conforto emocional, pois ativa as memórias afetivas da infância; somado à ação de algumas substâncias presentes nos lácteos que contribuem para um sono de qualidade", pontua Ana Paula Del'Arco, nutricionista e consultora da Viva Lácteos
(Associação Brasileira de Laticínios).
O leite é um alimento rico em proteínas, fonte riquíssima de triptofano, um aminoácido que participa da produção da serotonina, e consequentemente da melatonina no corpo humano. A melatonina é conhecida como o hormônio do sono, sendo responsável pela regulação do sono. Sua síntese depende diretamente do aminoácido triptofano, que é abundante no leite.
"Consumir alimentos ricos em triptofano aumenta a produção de serotonina e consequentemente de melatonina. Outros nutrientes também participam deste processo, como as vitaminas do complexo B, o magnésio e os carboidratos presentes nos lácteos e seus derivados", destaca Ana Paula Del'Arco.
Sendo assim, existem alternativas para ter uma noite de total descanso. Tomar um copo de leite antes de dormir, além de uma rotina saudável, ajuda na qualidade do sono e contribui para melhorar sua saúde física e mental. Não se esqueça de tomar o seu hoje à noite!

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.